Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

De volta às ruas, outra vez em defesa da democracia ameaçada

O conluio entre o capitão e os generais

Por Ricardo Noblat Atualizado em 30 jul 2020, 18h53 - Publicado em 1 jun 2020, 08h00

Quando será mesmo que o general Fernando Azevedo e Silva, ministro da Defesa, emitirá mais uma nota oficial para dizer em nome das Forças Armadas que elas não apoiam o governo do capitão que expulsaram dos seus quadros por indisciplina e conduta antiética, mas que apoiam, sim, a Constituição e a ela continuarão fieis?

Nos últimos 40 dias, ou menos do que isso, foram três notas oficiais com esse mesmo teor, cada uma mais vaga e ambígua do que a outra. O problema é que Azevedo e Silva virou um militante político bolsonarista, de resto como os demais generais ministros do governo, alguns postos originalmente ali para deter os excessos do presidente acidental.

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição
Clique e Assine

Diga-se: os excessos e a fome de poder do mau militar, assim classificado pelo ex-presidente Ernesto Geisel, que no passado, planejou atentados à bomba contra quarteis para reivindicar aumento de salários para a soldadesca. Às escondidas dos seus superiores, ele complementava o seu soldo associando-se a garimpeiros no antigo Estado do Mato Grosso.

Agora, às claras, sob o estímulo da farda que um dia avacalhou com seus atos, Bolsonaro subverte a ordem que as Forças Armadas dizem que prezam, semeia o ódio entre os seus devotos e tenta abastardar as demais instituições da República. Nos fins de semana, a Praça dos Três Poderes, em Brasília, transformou-se em palco exclusivo dos seus delírios.

A essa altura, a quarta nota do general já não apascentará os espíritos inquietos dos que assistem ao avanço do autoritarismo sobre a democracia duramente reconquistada. Está viva na memória do país as muitas vezes que os militares bancaram aventuras golpistas – a mais recente, em 1964, a pretexto de salvarem a democracia ameaçada.

Continua após a publicidade

Por formação, são conservadores e elitistas. Sentem-se mais capazes do que os civis. Consideram-se responsáveis pelos destinos do país. Não engoliram até hoje o fracasso da ditadura de 64 e a humilhação de terem sido obrigados a voltarem à caserna. De volta ao poder com o ex-capitão, querem que ele governe por quatro e mais quatro anos.

São seus avalistas. Ou melhor: seus mantenedores. Sabem muito bem que os civis partidários de Bolsonaro poderão abandoná-lo de uma hora para a outra se o governo não resistir às dificuldades que enfrentará daqui para frente. E, por mais que digam o contrário, o fracasso do capitão será também o fracasso dos generais. Elementar.

Abominam essa hipótese, portanto. E se no momento reverenciam a Constituição, não é garantido que assim procedam caso se vejam outra vez forçados a bater em retirada. É improvável a ditadura de um capitão. Mas não é o regime forte liderado por um capitão que desperta em parcela do povo seus instintos mais primitivos e obscuros.

O único fato novo que desperta a esperança de que o avanço do autoritarismo ainda possa ser detido é o retorno às ruas dos que se limitavam a protestar nas redes sociais. Foi o que se viu, ontem, em algumas cidades. As ruas eram até então território exclusivo das milícias do capitão anarquista. Tudo indica que deixarão de ser a partir das próximas semanas.

A publicação de manifestos e de abaixo-assinados serve mais para marcar o tempo em que foram concebidos, e lustrar a biografia dos seus autores. Mas em certas ocasiões, é nas ruas, para o bem ou para o mal, que se escreve a história.

Continua após a publicidade
Publicidade