Clique e assine a partir de 8,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Com Segóvia na Polícia Federal, Temer não precisa de advogado

Pela segunda vez, ele socorre quem o nomeou para o cargo

Por Ricardo Noblat - 10 fev 2018, 08h00

O inquérito ainda não foi concluído. Uma vez que seja, caberá à Procuradoria Geral da República pedir ou não o seu arquivamento ao Supremo Tribunal Federal (STF). Mas o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, não quis nem saber.

Em entrevista à agência de notícias Reuters, Segovia afirmou que não há indícios de que o decreto dos Portos sancionado pelo presidente Michel Temer beneficiou a empresa Rodrimar. Essa é a única investigação que resta contra Temer no STF.

Nomeado para o cargo por recomendação do ex-senador José Sarney, do senador Renan Calheiros e de outros caciques do PMDB de Temer, Segóvia fez mais. Admitiu que poderá ser punido o delegado Cleyber Malta Lopes, o encarregado do inquérito.

Esta é a segunda vez desde que assumiu o cargo em novembro último que Segóvia manda às favas todos os escrúpulos e sal publicamente em defesa de Temer. Antes, ele já criticara o relatório da Polícia Federal que afirmou que Temer era suspeito de ter recebido propina do Grupo J&F.

Espera-se para hoje uma nota da Associação dos Delegados da Polícia Federal a respeito da mais nova tentativa de Segóvia de interferir em investigações para beneficiar Temer.

Continua após a publicidade
Publicidade