Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A volta dos aloprados do PT

É assim a cada eleição

Por Ricardo Noblat 28 ago 2018, 07h00

A contratação de internautas para elogiarem o governador do Piauí, candidato à reeleição, é o primeiro ato conhecido nesta eleição dos aloprados do PT, encarregados do trabalho sujo.

Foi Lula que batizou de aloprados seus companheiros de partido como se nada tivesse a ver com eles. Em 2006, quando tentava se reeleger, gente de sua campanha forjou um dossiê contra o PSDB.

Com ele pretendia-se ligar bandidos que superfaturavam os preços de ambulância a Geraldo Alckmin (PSDB), candidato a presidente, e a José Serra (PSDB), candidato a governador de São Paulo.

A Polícia Federal prendeu militantes do PT e uma mala de dinheiro que pagaria pela confecção do dossiê. Como sempre, Lula mostrou-se indignado e surpreso. O caso deu em nada.

Em 2010, nova patifaria foi descoberta, dessa vez envolvendo gente ocupada em eleger Dilma Rousseff. Abortou-se a tempo mais um golpe contra Serra, então candidato a presidente.

Uma coisa é dispor de elementos para investigar a vida dos adversários – todo candidato dispõe. Outra bem diferente é dispor de elementos para falsificar fatos e influir no resultado das urnas.

As redes sociais estão repletas de mentiras. Mas em tempo de eleição, a lei proíbe que propaganda a favor de candidatos seja apresentada como se propaganda não fosse.

Internautas receberam dinheiro para fazer de conta que elogiavam espontaneamente o governador do PT no Piauí. Ele mesmo declarou que isso fora iniciativa “da moçada da direção do PT”.

Os aloprados da estrela voltaram. Ou melhor: eles jamais saíram de cena.

Continua após a publicidade
Publicidade