Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A peleja entre Bolsonaro e o coronavírus

Quem fará mais estragos ao Brasil?

Por Ricardo Noblat Atualizado em 30 jul 2020, 19h00 - Publicado em 20 abr 2020, 08h00

O cenário era sugestivo. De um lado, a imponente sede do Quartel-General do Exército, no Setor Militar Urbano de Brasília, uma monumental obra do arquiteto comunista Oscar Niemeyer. Do outro, cerca de 200 a 300 pessoas, a maioria vestida de verde e amarelo carregando faixas e cartazes onde pediam a volta do AI-5, o ato mais brutal da ditadura militar de 64, a censura à imprensa e o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal.

No meio, em cima da caçamba de uma camionete, sob a proteção da Polícia do Exército, o presidente Jair Bolsonaro tossiu, tossiu, tossiu, balançou um pouco, mas não caiu, e durante cinco minutos, sem máscara, expelindo perdigotos, disse que estava ali porque acreditava nos manifestantes que clamavam por uma nova intervenção militar. Mais de uma vez afirmou que o povo, agora, estava no poder e que poderia contar com ele.

Corte! Recuemos 10 ou 14 anos. O presidente da República chama-se Luiz Inácio Lula da Silva. Com dificuldades para governar, ele autoriza militantes do PT a irem às ruas em seu socorro. No dia marcado, um grupo numeroso de militantes, empunhando bandeiras vermelhas e vociferando contra o Congresso e a Justiça, se concentra diante do Quartel-General do Exército, em Brasília. Lula aparece, discursa e prega a ascensão do povo ao poder.

Como reagiriam os militares? Soltariam uma nota condenando o ato de natureza claramente golpista? Pelo menos uma nota para garantirem que nada tiveram a ver com o que assistiram tão de perto? Renovariam seu compromisso em respeitar a Constituição? Ou nada fariam, recolhendo-se ao silêncio? O “povo no poder” dito por Lula soaria à provocação, coisa de esquerdista? O de Bolsonaro, um extremista de direita, como coisa normal?

Continua após a publicidade

O Grande Mudo, como é conhecido o Exército, foi dormir calado. Políticos de todos os matizes foram dormir apreensivos. Quando se pensa que Bolsonaro ultrapassou todos os limites da irresponsabilidade, ele vai adiante. No seu caso, por desespero, mas não incoerência. Bolsonaro enveredou há muito tempo pela Avenida da Irrelevância. Perdeu o bonde da História quando subestimou o coronavírus. Não soube ou não quis corrigir o passo.

Por incoerência não morrerá. Foi um mal militar, como dele disse o ex-presidente Ernesto Geisel. Afastado do Exército por indisciplina e conduta antiética, alojou-se durante 28 anos na Câmara e, ali, foi um deputado sem nenhuma importância. Acidentalmente eleito presidente, o que se poderia esperar dele se não que fosse um presidente medíocre? Muita gente, mesmo assim, ainda acha que valeu a pena porque derrotou o PT.

ASSINE VEJA

Covid-19: Sem Mandetta, Bolsonaro faz mudança de risco nos planos A perigosa nova direção do governo no combate ao coronavírus, as lições dos recuperados e o corrida por testes. Leia na edição desta semana.
Clique e Assine

A situação terá que piorar muito para que só depois comece a melhorar, ouvi de um ministro do Supremo Tribunal Federal. Em meio a uma pandemia, não se depõe presidente. Sirva de consolo que em meio a uma pandemia também não se aplica golpe. Impeachment não é golpe. É instrumento previsto na Constituição para remover governantes ineptos que perdem o apoio político necessário para governar. A hora de Bolsonaro chegará.

Ninguém, mais do que ele, se empenha tanto para que chegue a hora da verdade. Bolsonaro compete com o coronavírus para ver quem causará maior estrago ao Brasil.

Continua após a publicidade

Publicidade