Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A intolerância dos tolerantes (por Gustavo Krause)

Cabe não subestimar o número significativo dos “Danieis Teixeiras”

Por Gustavo Krause Atualizado em 21 fev 2021, 03h50 - Publicado em 21 fev 2021, 12h00

A virtude é uma disposição adquirida de fazer o bem porque ela é o próprio bem, em espírito e em verdade. Sem desviar da sabedoria aristotélica, toda virtude é um ápice entre dois vícios, uma cumeada entre dois abismos: assim, no caminho do meio entre a covardia e a temeridade, se move a coragem; o espaço da doçura se situa entre a cólera e a apatia.

Seria a tolerância uma exceção à regra? Ser tolerante significa aceitar o condenável sem combater? Levada ao extremo, a tolerância negaria a si própria e deixaria livres as mãos dos que querem suprimi-la. Inerte, a tolerância desconheceria o valor da luta, do combate: seria cúmplice, colaboradora da violência e da monstruosidade dos regimes políticos genocidas.

Neste ponto, chegamos ao que Karl Popper chama de “o paradoxo da tolerância: se formos de uma tolerância absoluta, mesmo para com os intolerantes, e se não defendermos a sociedade tolerante contra os seus assaltos, os tolerantes seriam aniquilados, e com eles, a tolerância”.

Tolerância não é passividade. Democracia não é fraqueza. São fatores de coesão da vida social e convalidam a força que se opõe ao fanatismo, ao sectarismo, ao autoritarismo e ao totalitarismo. Ambas protegem a sociedade pluralista do risco de se despedaçar em decorrência das diferentes visões de mundo.

A propósito, o Brasil nunca foi o paraíso da tolerância, porém, vem sendo intoxicado por uma atmosfera política marcada pelo confronto, pela raiva, pelo ódio, pelas manifestações de intolerância que ultrapassam agrupamentos sociais e penetram nas instituições políticas.

Continua após a publicidade

E o exemplo vem de cima. Não se ouve do Palácio do Planalto uma voz que possa apaziguar para, unindo, governar. A cada dia, sob a tragédia da pandemia, os passos que deveriam ser os mais prosaicos e corriqueiros da ordem democrática, transformam-se em confrontos.

A eleição congressual deixou um rastro de vindita no ar; o livro de um respeitável General recoloca as Forças Armada no centro do debate político; o Presidente da República assina um decreto cuja ementa bem que poderia ser “Às armas, cidadãos!”.

Para completar, o desqualificado parlamentar, Daniel Silveira (PSL-RJ) em linguagem chula, agride violentamente o Supremo Tribunal Federal, o lócus, gostem ou não, é o foro regulador e adequado para resguardar e defender as liberdades democráticas.

Entram no jogo as instituições – o STF e a Câmara – para, de acordo com a lei, usar a força institucional da tolerância para punir o delinquente político. A nação exigiu uma reação exemplar. E a resposta veio com a celeridade e o respeito aos direitos do criminoso por mais execrável que ele seja. Sem espetáculos, sem bravatas e a estridência da retórica antidemocrática, triunfou a força da legalidade e o exemplo da punição que raramente alcança personagens protegidos pela imunidade parlamentar.

Por fim, cabe não subestimar o número significativo dos “Danieis Teixeiras”, abrigados na extrema direita e que ameaçam a democracia representativa no Brasil, crescem e governam nações capturadas pelas autocracias.

Gustavo Krause foi ministro da Fazenda

Continua após a publicidade
Publicidade