Clique e assine a partir de 9,90/mês
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O que fazer com políticos que lucraram com a pandemia?

Muitas respostas são impublicáveis, mas caso do senador americano suspeito usar informação privilegiada para vender ações tem outros desdobramentos

Por Vilma Gryzinski - Atualizado em 15 maio 2020, 09h46 - Publicado em 15 maio 2020, 07h17

Ver agentes da Polícia Federal chegar na casa de um senador com mandado de busca para levar seu telefone celular pode lembrar cenas recentes envolvendo políticos de alto coturno, ainda vivas na memória dos brasileiros.

Como o caso envolve um senador americano, parece coisa de filme.

ASSINE VEJA

Covid-19: Amarga realidade As cenas de terror nos hospitais públicos brasileiros e as saídas possíveis para mitigar a crise. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Richard Burr é senador pelo Partido Republicano e, depois da visita, se afastou da presidência da Comissão de Inteligência do Senado.

Foi nessa posição que recebeu informações fora do alcance do público sobre a pandemia que se avizinhava, em meados de fevereiro, quando ainda os Estados Unidos pareciam – apenas pareciam – fora do alcance do vírus maligno.

Continua após a publicidade

Por uma incrível coincidência, ele vendeu ações de empresas que seriam prejudicadas, como de hotéis. O total específico não é identificado, mas fica na faixa entre 628 mil e 1,7 milhão de dólares.

E não foi só ele: um cunhado também fez a transição do que viriam a ser papéis incinerados no período suspeito.

Outros representantes do povo, incluindo a senadora mais rica do país, a republicana Kelly Loeffler, dona do time de basquete feminino Atlanta Dreams, e a veneranda democrata Dianne Feinstein, também operaram.

Feinstein, que divide com o marido uma fortuna de 50 milhões de dólares, respondeu perguntas do FBI sobre o caso.

Continua após a publicidade

As duas senadoras apresentaram justificativas convincentes de que não tinha acesso a decisões sobre seus investimentos, justamente para ficar acima de suspeitas de uso de informação privilegiada em benefício próprio.

Para apimentar o caso, as transações foram reveladas pela Open Secrets, uma das organizações investigativas financiadas por George Soros. 

A simples menção do nome do bilionário já faz praticamente todo o campo da direita enlouquecer de raiva – e o da esquerda se derreter de encantamento.

As investigações acabaram se concentrando em Richard Burr, um ex-vendedor de cortadores de grama que se tornou especialista em biossegurança. Ele próprio pediu uma investigação do comitê de ética – muitos brasileiros talvez também se lembrem de episódios parecidos.

Continua após a publicidade

Detalhe: vendeu suas ações e não comprou outras, como é mais comum. 

Ou seja, caiu fora antes do derretimento do mercado exatamente depois de uma reunião a portas fechadas da comissão com Anthony Fauci, agora famoso como o especialista em epidemias que aparece ao lado de Donald Trump – quando não estão discordando.

E ainda escreveu um editorial dizendo que os Estados Unidos estavam “mais preparados do que nunca” para enfrentar emergências sanitárias.

Acompanhar a sequência de fatos pode, teoricamente, configurar a materialidade do crime, outra expressão que entrou no vocabulário dos brasileiros. Fora provocar ataques de fúria insana.

Continua após a publicidade

“Não existe crime moral maior do que trair seu país num momento de crise”, disse Tucker Carlson, o apresentador da Fox News que mais encarna a direita populista, quando o caso veio à tona, no mês passado.

O cronograma das iniciativas das ações de Burr pode configurar a materialidade do crime. O senador também pode ser exonerado e ter sua reputação de volta. 

Pelo menos para os que acreditarem que, enquanto a morte de mais de 85 mil americanos até agora estava sendo esboçada pela pandemia, não infringiu um decreto-lei específico, o STOCK, criado justamente para erguer uma muralha da China entre a informações que deputados e senadores recebem no exercício do cargo, muitas vezes sigilosa, e o modo como fazem investimentos.

Burr diz que mudou seus investimentos simplesmente com base no que estava lendo sobre os mercados financeiros e os acontecimento na Ásia.

Continua após a publicidade

Obviamente, por envolver quem envolve, existe o caso em si e existe o caso à luz da política ampliada. E não tem nada mais político do que as eleições presidenciais de novembro.

Como no Brasil, a epidemia do novo vírus aguçou as divisões e levou o debate a um reducionismo extremo: quem quer a retomada das atividades econômicas, como Trump e os republicanos em geral, não se importa que morram mais americanos por causa disso; quem quer manter as quarentenas (feitas por estados), prefere derreter a economia para sabotar a reeleição do presidente.

É possível imaginar uma vitória de Trump à luz sinistra da montanha de mortos, que terá passado bem além dos 100 mil até novembro, e da transformação da economia bombando numa catástrofe com 33 milhões de desempregados, fora todos os já conhecidos defeitos dele, exacerbados pela pandemia?

A resposta está nos estados onde os resultados oscilam entre democratas e republicanos. Por enquanto, apesar das pesquisas que dão vitória para Joe Biden, Trump está longe de ter sido varrido do mapa.

Continua após a publicidade

Ao contrário, uma pesquisa recente deu Trump com 47% – dois pontos a mais que Joe Biden –  em Arizona, Flórida, Michigan, Carolina do Norte, Pensilvânia e Wisconsin.

Na Geórgia, um estado em transição para virar gangorra, está empatado com Biden, que continua a ser prejudicado pelo confinamento no porão de sua casa e os tropeços de linguagem.

O estado sulista virou um símbolo da disputa sobre o fim da quarentena. O republicaníssimo governador Brian Kemp chegou a ser acusado de fazer uma “experiência com sacrifícios humanos” ao decidir, em abril, a retomada das atividades paralisadas.

A Geórgia sofreu mais de 1.500 mortes por Covid-19, mas a baixa continuou a ser consistente depois do fim da quarentena.

Continua após a publicidade

Foi Kemp quem nomeou a loiríssima e sempre grifada Kelly Loeffler para substituir um senador que se afastou por motivo de saúde. Agora, ela disputa a eleição direta – um terço dos senadores passará pelas urnas juntamente com a votação para presidente.

Ter um governador matando de propósito seus constituintes e uma senadora envolvida no pântano repugnante da utilização de informação privilegiada na pandemia seria uma situação ideal para a oposição democrata.

Na falta disso, o caso de Richard Burr vai render. Se a suspeita for confirmada, será amplamente usado na campanha contra Trump.

É justo. O sistema pelo qual um partido vigia o outro – e escava todas as sujeiras que puder – é chamado também de democracia.

Continua após a publicidade

Ajuda a manter os representantes do povo na linha ou pelo menos passarem esta impressão. 

No meio da pandemia, talvez ajude também a poupá-los da fúria do povo.

Publicidade