Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Como ganhar 1 bilhão de dólares: os ensinamentos de Kim Kardashian

Nunca houve tantos bilionários no mundo desde que a 'Forbes' começou a fazer sua lista famosa, na qual entrou a estrela dos reality shows

Por Vilma Gryzinski 9 abr 2021, 08h06

Tudo o que elas têm é maior do que o normal, inclusive as fortunas. Agora, a decana das notórias irmãs Kardashian/Jenner, Kim Kardashian West – ainda portando o último sobrenome antes que seja finalizado o divórcio – entrou para a lista de bilionários da Forbes.

Ao contrário do senso comum, 2020 foi um ano bom para quem soube aproveitar as oportunidades – e aproveitar oportunidades é praticamente a profissão da mulher que não canta, não dança e não atua, mas soube virar uma antológica potência das redes sociais, arrastando junto as irmãs e meia-irmãs.

Foi o modelo de negócio da meia-irmã caçula, Kylie Jenner, que levou Kim a dar o salto bilionário: ser a proprietária da própria marca de cosméticos e não apenas uma garota propaganda de luxo, com participação nas vendas de produtos dos outros.

Kim fundou a KKW Beauty em 2017. Foi um começo promissor: vendeu 300 mil estojos para fazer contorno no rosto – um truque de maquiagem que “afina” a face e ressalta as maçãs – em duas horas. Outros produtos se seguiram, usando como motor incomparável o exército digital kardashianista: ela tem 69,6 milhões de seguidores no Twitter e 213 milhões no Instagram, o tamanho da população do Brasil.

No ano passado, vendeu 20% da empresa para a gigante dos cosméticos Coty, propulsionando o valor da KKW. Segundo o cálculo da Forbes, os 72% que continua a deter valem 500 milhões de dólares.

Outro negócio que bombou, tirando vantagem das mudanças propiciadas pela pandemia, foi a Skims, uma linha de modeladores, tipo de roupa de baixo que procura controlar excessos corporais. 

Como ficar em casa trabalhando na frente do computador virou o sistema de vida de enormes fatias da população, a Skims lançou roupas confortáveis, como as de ginástica, com moletons e calças com elástico na cintura que viraram o figurino padrão das mulheres confinadas no home office. A participação dela na Skims foi calculada pela Forbes em 225 milhões de dólares.

A ascensão de Kim ao clube dos bilionários coincide com o fim de seu casamento com Kanye West e da longa série Keeping Up With the Kardashians, pioneira no método de mostrar tudo, tudo mesmo, inclusive brigas conjugais e de família, traições, bebedeiras, cirurgias plásticas, tentativas de engravidar, ultrassom de fetos, partos e até a transição do padrasto das irmãs mais velhas, que era o medalhista olímpico Bruce Jenner e virou a estrela trans Caitlyn.

Kim Kardashian é uma das poucas mulheres que estão na lista de biliionários da Forbes sem ser esposa, ex-esposa, viúva ou filha de um homem que construiu a fortuna familiar. (A brasileira Luiza Trajano, responsável pela explosão da rede de lojas que era de seus pais, é outra: está no lugar número 529, com 5,1 bilhões de dólares).

O número de bilionários computados pela Forbes no ano passado subiu para 2.755, um impressionante aumento de 660 em relação ao ano anterior.

Jeff Bezos, como sempre, está em primeiro lugar, com 177 bilhões, com Elon Musk (151 bilhões) querendo encostar.

Juntos, os quase três mil bilionários têm 13,1 trilhões de dólares, quase o dobro do PIB do Brasil

Continua após a publicidade

Os Estados Unidos têm 724 dos nomes da lista e a China, incluindo Hong Kong e Macau, 698. Pela primeira vez, Pequim passou, raspando, Nova York no número de bilionários, com 100 nomes na lista, contra 99.

Dos novos nomes da lista, cerca de 40 são “coronabilionários”, pessoas que criaram produtos ou serviços ligados à pandemia de Covid.

Entre eles, Ugur Sahin, o oncologista alemão de origem turca que fundou com a mulher a BioNTech, o laboratório que criou a vacina produzida pela Pfizer. 

Outro: Stéphane Bancel, o francês que é CEO e dono de 9% da Moderna, a laboratório biotecnológico americano que desenvolveu a outra vacina baseada na nova tecnologia que usa o RNA mensageiro.

A Moderna gerou ao todo quatro novos bilionários, o mesmo número que a chinesa CanSino Biologics.

O mais rico dos coronabilionários, com 6,2 bilhões, é Li Jianquang, dono da Winner Medical, que produz máscaras, aventais cirúrgicos, curativos e outros produtos médicos.

Que Kim Kardashian esteja nessa lista é um atestado de competência e da velha piada sobre mulheres que têm um corpo feito para o pecado e uma cabeça talhada para os negócios. 

Ela poderia ter causado tudo o que causou em seus quase vinte anos de fama – está com 40 – e continuado na turma dos milionários “menores”, as celebridades que ganham muito dinheiro, mas acham que investir em imóveis, não arriscar em novos negócios, é o melhor que têm a fazer e não dão o salto quântico.

É possível que tenha herdado, o pendor comercial, entre outros atributos explosivos, da mãe, Kris Jenner, considerada a cabeça das estratégias para manter a família eternamente na boca – e nas redes digitais – do povo.

No ano passado, sua irmã Kylie apareceu na lista da Forbes como a mais jovem bilionária, com apenas 21 anos. Depois foi “cassada”, sob a suspeita de ter manipulado números para parecer que tinha mais dinheiro do que na realidade – “apenas” uns 850 milhões de dólares.

Ah, a Forbes deveria saber que transformar a realidade numa versão aumentada da ficção é uma especialidade do clã Kardashian.

Um exemplo do momento: Caitlyn Jenner está sondando uma candidatura a governadora da Califórnia. E é pelo Partido Republicano.

Imaginem a festa da posse com o clã em peso.

Continua após a publicidade
Publicidade