Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Cada vez mais quente: o escândalo da ‘Vacinação VIP’ na Argentina

Alberto Fernández quer se distinguir por práticas republicanas, mas a realidade latino-americana é mais forte – e tem caso no Peru também

Por Vilma Gryzinski Atualizado em 23 fev 2021, 08h30 - Publicado em 23 fev 2021, 08h14

O ministro, o vice-ministro, mais outros ministros, os chefões sindicais, o embaixador no Brasil, um ex-presidente, os filhos, as esposas, os sobrinhos, os sogros, os amigos, as “amigas”, as secretárias, o fotógrafo do presidente e até, em pelo menos um caso, o motorista.

Não tem fim a lista de privilegiados, no poder ou em suas imediações, que furaram a fila da vacina e receberam a Sputnik V num hospital de Buenos Aires, o Posadas. Os mais VIP ainda tiveram uma facilidade extra: uma equipe de vacinadores ia ao Ministério da Saúde para um atendimento customizado.

O ministério fica a cinco minutos da Casa Rosada, mas o presidente Alberto Fernández parece ter caído do terceiro ainda quando o caso explodiu.

Rapidamente, ejetou do cargo o ministro da Saúde, Ginés González García. Promoveu para a pasta a vice, Carla Vizzotti, que precisaria ter um nível extraordinário de embotamento perceptivo para não captar o que estava acontecendo à sua volta.

Também rodou o sobrinho de Ginéz, Lisandro Bonelli, que também era, por uma extraordinária coincidência, seu chefe de gabinete. Como nas grandes festas, era ele o encarregado de controlar a lista VIP.

Fernández fez a degola e viajou para o México, com a comitiva desfalcada por alguns dos VIPs vacinados na surdina – e num avião particular pertencente a Lionel Messi, alugado para a viagem oficial por 160 mil dólares com o objetivo de oferecer privacidade sanitária ao presidente.

Antes de viajar, mandou que fosse divulgada a lista completa dos vacinados, achando que assim o caso – “reprovável”, segundo o adjetivo mais forte que conseguiu encontrar – começaria a refluir. Teve o efeito oposto.

Quem acha que o nível de delírio é alto demais, mesmo para os padrões argentinos, ainda não ouviu a história toda.

O escândalo da “Vacinação VIP” explodiu através do relato do veterano jornalista Horacio Verbitsky, durante as últimas décadas o chefão do jornal peronista de esquerda Página 12.

Verbitsky, de 79 anos, contou a história em seu programa de rádio – aliás, ex-programa, porque foi demitido – como se fosse um caso curioso, sem atentar minimamente para a gravidade da vacinação paralela.

Disse que, tendo decidido se vacina, ligou para o ministro – agora ex – da Saúde, a quem conhecia “desde antes que fosse ministro”. Recebeu instruções para ir ao hospital Posadas. No dia, um secretário de González avisou por celular que “uma equipe especial viria de Posadas para o ministério”. Era só passar para receber o tratamento especial.

Detalhe: o ex-montonero, responsável por atentados brutais na época em que os guerrilheiros peronistas de esquerda planejavam insuflar um golpe militar, acreditando que seria um atalho para a tomada do poder (ah, os delírios argentinos), foi um dos pioneiros nas denúncias de corrupção na época do governo do recém-falecido Carlos Menem.

Mas tem mais: ele denunciou um certo cardeal chamado Jorge Bergoglio quando o argentino foi eleito papa, acusando-o de cumplicidade na prisão e tortura de três padres de esquerda na época da ditadura.

Quando a turma de Cristina Kirchner percebeu que não pegava bem falar mal do papa argentino, Verbitsky tirou o pé do acelerador. Ele próprio é acusado por um ex-companheiro de ter se tornado um informante da ditadura.

Continua após a publicidade

No programa de rádio em que confessou ter furado a fila, como se fosse a coisa mais normal do mundo, ele disse ter cruzado no ministério com José Antonio Aranda, um dos donos do Clarín, o jornal mais abominado pelos peronistas e pela esquerda em geral. O Clarín deu a informação, corretamente, e o desmentido de Aranda.

A espontaneidade sem noção com que relatou seu caminho até a vacina é um retrato definitivo de uma das maiores pragas latino-americanas: o compadrio, o jeitinho, as facilidades ilícitas oferecidas pelo poder.

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, falou sobre o assunto, com a habitual falta de tato, pouco antes de receber o visitante argentino.

“Vai haver vacinas para todos e não há preferência por ninguém”, espetou ele, criticando “toda essa situação que se apresentou em vários países de que há vacinação secreta para os de cima”.

“Toda essa situação” também está acontecendo no Peru. O “Vacinagate” envolve 400 funcionários do governo que furaram a fila.

“De nada serviria um vice-ministro na UTI. Foi para proteger o líder da resposta à pandemia”, alegou, com a habitual cara de pau, o vice-ministro da Saúde, Luiz Suárez Ognio.

E os familiares, funcionários e agregados. “Foi feita uma espécie de bolha para bloquear por onde poderia vir a infecção”, repisou.

Outros funcionários do ministério divulgaram uma carta na qual se desculpam “pelos sentimentos gerados pela falta de uma comunicação adequada e oportuna”. Entenderam bem? Foi tudo culpa da “falta de questionamento institucional”. Dezesseis desses funcionários foram demitidos.

Entre os políticos vacinados à sorrelfa estão o ex-presidente Martín Vizcarra – o último de uma sequência difícil de acompanhar, pela alta rotatividade – e a ex-ministra da Saúde Pilar Mazzetti.

O escândalo peruano tem repercussões políticas comparativamente menores porque o país atualmente tem um presidente interino, Francisco Sagasti, eleito pelo Congresso basicamente com a missão de chegar num pedaço só até a eleição presidencial de abril.

Para o argentino Alberto Fernández, a situação é mais delicada. Visto, universalmente, como um pau mandado de Cristina Kirchner, que resolveu ser “apenas” vice-presidente, ele está sempre em terreno explosivo.

Procura agradar a chefona e, ao mesmo tempo, imprimir um estilo menos monárquico e voluntarioso ela. Entre as duas exigências, precisa evitar a hecatombe econômica que paira permanentemente sobre o país.

“Devemos trabalhar para que estas situações não voltem a se repetir”, disse Fernández, lamentando também o “espetáculo mediático de escárnio público” – empurrando a culpa para o “espetáculo”.

Fernández continua a ter um índice de aprovação invejável, de quase 54%, apesar dos estragos da pandemia na saúde pública e na economia. E sua popularidade sobe quando um certo colega latino-americano faz, absurdamente, campanha contra.

O presidente argentino ainda tem espaço para uma quantidade razoável de erros. Mas o colchão fica mais fino com casos como o da Vacinação VIP.

Continua após a publicidade
Publicidade