Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Conheça Han Kang, premiada autora sul-coreana que exala sensibilidade

Vencedora do Man Booker Prize conta como os vegetais a fizeram repensar a humanidade — e o papel de suas enxaquecas no processo de se tornar escritora

O livro A Vegetariana (Tradução: Jae Hyung Woo; Todavia; 176 páginas; 49,90 reais), vencedor do Man Booker International Prize que chegou às livrarias brasileiras em outubro, nos introduz a uma história insólita: uma mulher que, na recusa da violência contra animais — e em reação aos humanos ao seu redor —, só ingere vegetais até agir como se fosse se tornar, de fato, um. Sua autora, a sul-coreana de 47 anos Han Kang, fala de sua própria personagem como se ainda estivesse intrigada. 

É com essa tímida curiosidade que concedeu entrevista por telefone a VEJA. Sua fala é quase quieta: baixa, suave, reticente e entrecortada, como a de uma garota que sempre olhou para o mundo por sobre as bordas de um livro. Em busca de respostas fundamentais da alma humana, Han nos conta de seu recente lançamento por aqui (e adianta os que estão por vir), além de compartilhar suas visões sobre dignidade, fé e explicar como as enxaquecas, que a acometem desde a infância, apuraram sua sensibilidade.

‘A Vegetariana’, de Han Kang (Ed. Todavia, 176 págs, 49,90 reais)

‘A Vegetariana’, de Han Kang (Ed. Todavia, 176 págs, 49,90 reais) (Editora Todavia/Reprodução)

No livro A Vegetariana você apresenta a protagonista Yeonghye, uma jovem mulher que tem que lidar com uma grande carga de violência velada ao seu redor. Como escolheu esse tema? Eu escrevi um conto chamado The Fruit of My Wife (“O Fruto de Minha Mulher”, em tradução livre), sobre uma mulher que literalmente se transforma em uma planta. Então, seu marido começa a cuidar dela, a coloca em um vaso. Ela se transforma em uma árvore. Senti que algo estava inacabado na história e resolvi retomá-la depois de muitos anos. Imaginei essa história em que a mulher primeiro se recusa a comer, depois começa a recusar qualquer forma de violência, e por fim quer se tornar uma planta. E ela acredita realmente nisso e não ingere nada além de água. De alguma forma, é a maneira que ela encontra de se salvar. Ela não quer cometer nenhum tipo de violência.

Para você, tornar-se uma planta como alternativa à violência diz algo sobre o que é ser humano? Temos que continuar vivendo sem nos tornar uma planta, é claro (risos). Nosso mundo é cheio de violência e piedade, e a violência está em toda a história. Yeonghye não é fraca, ela é tão determinada… Queria que o leitor pudesse sentir a sinceridade de seus gestos. Queria ponderar a posição dela nesse mundo.

O que é ser humano, para você?  É uma pergunta difícil. Seres humanos são seres muito complicados. Eles podem fazer coisas tão horríveis, como Auschwitz, e você vê isso todos os dias nos jornais. Mas algumas vezes pessoas arriscam suas próprias vidas para salvar a vida de outros. Eu penso que o espectro humano é tão amplo e existem tantas pessoas cheias de dignidade. Acho que Yeonghye sofre por questionar esse espectro da humanidade, e eu também sofro por isso. Recentemente, eu quis focar na dignidade humana, vendo pelo lado mais sombrio. Eu acredito que humanos são mais que isso. Eu acredito na vida. Esta é minha opinião pessoal.

Quando era adolescente, tinha muitas questões e procurava respostas nos livros, algumas vezes não encontrava. Eu gostava de entender o que o escritores estavam se debatendo para tentar descobrir. São tantas perguntas procurando respostas.

Han Kang

Como você se aproximou da literatura? Minha primeira identidade é como leitora, porque meu pai é um escritor. Nos mudamos muito, mas eu sempre estava cercada de livros. Mesmo se você não consegue escrever muito bem, você consegue ler. Quando eu era criança, era uma verdadeira alegria ler. Quando era adolescente, tinha muitas questões e procurava respostas nos livros, algumas vezes não encontrava. Eu gostava de entender o que o escritores estavam se debatendo para tentar descobrir. São tantas perguntas procurando respostas. Além disso, uma pessoa pode carregar muitos livros. É como carregar pessoas consigo, é como estar junto dos autores. Minha experiência me levou a fluir pelo mundo junto com os livros.

Algum autor a marcou em especial? É difícil pensar em um escritor específico, eu amo os livros em si… difícil escolher um nome. Quando estava na universidade, gostava muito de autores latino-americanos, como Jorge Luis Borges e Octavio Paz. Mas, no geral, não consigo escolher um.

Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, você disse que sofre com enxaquecas desde criança e que não teria se tornado escritora se fosse 100% saudável. Em que momento você se deu conta disso? Não teve um momento especificamente… Não é que eu tenha me tornado escritora por causa das enxaquecas, mas acho que por causa dela aprendi a ter certa humildade ante a vida. É um fato da minha história de que não posso me esquivar, ou fazer ir embora. Talvez isso tenha me ajudado a ser mais sensível em relação aos outros: porque experimento dor física de tempos em tempos… Não quero exagerar isso também, pois não me mata.

Como é a sua relação com o seu país, a Coreia do Sul? Eu amo minha língua materna. Eu nasci em Hangul e me mudei para Seul quando tinha 9 anos. Como uma escritora, acho importante viver com o fluxo de sua língua-mãe. Para mim, é importante viver no meu país. Nasci aqui, fui educada aqui. Quando comecei a escrever, escrevia poesias… Meu país é minha língua, é meu centro mais importante. A Coreia do Sul mudou muito, e morar aqui significa ter tanto a ponderar, tanto a questionar. É muito complicado, mas é o papel dos escritores, então acho que é bom.

Acho que por causa delas [as enxaquecas] aprendi a ter certa humildade ante a vida. É um fato da minha história de que não posso me esquivar, ou fazer ir embora (…) talvez isso tenha me ajudado a ser mais sensível em relação aos outros: porque experimento dor física de tempos em tempos

Han Kang

Qual de seus livros você mais gostou de ter escrito? Escrevo muitos contos, mas gosto de escrever romances porque é meu jeito de me fazer questões e superá-las, seguir em frente. Sinto que eles me levam para frente, me fazem progredir. Acho que escritores sempre se sentem muito próximos aos seus livros mais recentes, então me sinto conectada a The White Book. Enquanto escrevia o livro, eu pensava em coisas muito sólidas, que não poderiam ser feridas ou destruídas, acho que estava olhando para essa parte em mim mesma. Ele me deu muita força.

Ele tem previsão para ser publicado por aqui? Ainda não, mas meu livro Human Acts será lançado no ano que vem. É um livro em que eu quero tocar profundamente no assunto da dignidade humana, de que gosto muito. 

Dignidade humana é uma questão cada vez mais pungente no Brasil, com escaladas de violência contra minorias durante o recente processo eleitoral. O que você diria às pessoas que receiam ter sua dignidade humana violada? Algumas vezes, temos fé ainda que não tenhamos motivos para isso. É o que somos, nascemos para ter fé. O que eu quero dizer é que temos consciência, nascemos com dignidade. Algumas situações nos fazem esquecer disso. Quero acreditar que o ser humano é digno e que a fé pode nos ajudar a seguir em frente.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s