Clique e assine a partir de 9,90/mês
Me Engana que Eu Posto Por Coluna A verdade por trás de manchetes falsas que se espalham pela internet. Editado por João Pedroso de Campos.

Brasil não importou dipirona contaminada da Venezuela

Boato que já havia circulado em agosto voltou a ser compartilhado no WhatsApp por meio de um áudio. Ministério da Saúde, Anvisa e laboratório desmentem

Por João Pedroso de Campos - Atualizado em 8 nov 2018, 18h31 - Publicado em 8 nov 2018, 18h28

Passada a enxurrada de notícias falsas envolvendo as eleições de 2018, voltou a circular no WhatsApp uma fake news sobre saúde que já havia se espalhado por aí em agosto. A lorota alardeia que o Brasil importou da Venezuela dipirona contaminada pelo vírus Marburg, “considerado um dos mais perigosos do mundo e com alta taxa de mortalidade”.

O boato foi ressuscitado no aplicativo de mensagens por meio de um áudio, em que um sujeito simplesmente lê o conteúdo da lorota que já havia sido espalhada no mesmo “zap” há três meses. Ele fala sobre a dipirona “muito branca e brilhante” e pede que a mensagem seja compartilhada “antes que o governo tire esse aviso de circulação” – característica bastante comum em notícias falsas (veja abaixo).

Reprodução WhatsApp/Reprodução

A nova versão da lenda urbana, compartilhada em áudio, é ilustrada pelo medicamento Dipimed, fabricado pelo laboratório Medquímica (veja abaixo).

Reprodução WhatsApp/Reprodução

Quando o boato circulou pela primeira vez, em agosto, o Ministério da Saúde já havia publicado em seu site um desmentido da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a fictícia dipirona venezuelana importada e contaminada.

Com a volta da notícia falsa ao WhatsApp, que envolve a imagem do Dipimed, o labotarório Medquímica divulgou um esclarecimento em que afirma que se trata de “um medicamento de origem totalmente nacional, registrado na ANVISA sob o nº 1.0917.0015 e comercializado no mercado há mais de 30 anos”.

De fato, é possível ver em uma consulta simples no portal da agência reguladora que o analgésico alvo da lorota é mesmo fabricado no Brasil e tem registro ativo até março de 2021 (veja abaixo).

Reprodução Anvisa/Reprodução

Sobre a doença causada pelo vírus Marburg, trata-se de uma infecção que pode ser transmitida através do contato com sangue, secreções ou fluidos corporais de pessoas infectadas, ou, ainda, materiais contaminados, como roupas e roupas de cama. Os sintomas mais comuns são febre alta, dores de cabeça, abdominal e musculares, cãibras, diarreia, náuseas e vômito. Em casos mais graves, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a doença pode levar à morte em até nove dias após o início dos sintomas.

Conforme os dados mais recentes da OMS, já houve surtos ou casos isolados da doença em oito países (nenhum deles é a Venezuela ou o Brasil): Estados Unidos, Alemanha, Holanda, Sérvia, República Democrática do Congo, Uganda e África do Sul.

Você também pode colaborar com o Me Engana que Eu Posto no combate às notícias mentirosas da internet. Recebeu alguma informação que suspeita – ou tem certeza – ser falsa? Envie para o blog via WhatsApp, no número (11) 9 9967-9374.

Continua após a publicidade
Publicidade