Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Quando o assunto é a Covid-19, presidente arrisca tudo

Bolsonaro é capaz de qualquer coisa para defender a seus índices de popularidade, exceto acertar os rumos da saúde no Brasil 

Por Matheus Leitão Atualizado em 18 mar 2021, 14h33 - Publicado em 18 mar 2021, 13h14

Um dado da última pesquisa Datafolha mostrou que o presidente Jair Bolsonaro é capaz de qualquer coisa para defender a sua popularidade, exceto acertar os rumos da saúde no Brasil em meio à pandemia do coronavírus.

No começo da crise sanitária, o então ministro Luiz Henrique Mandetta fazia um trabalho técnico, seguindo as diretrizes da Organização Mundial de Saúde (OMS) e estudos científicos. Neste período (abril do ano passado), a avaliação do desempenho do Ministério da Saúde era 76% de ótimo ou bom, e apenas 5% consideravam ruim ou péssima, segundo o instituto Datafolha

Apesar disso, o presidente o demitiu. Após as mudanças de ministros – já estamos no quarto dentro do período de um ano – e a piora na gestão da maior crise sanitária do país, a avaliação do Ministério da Saúde como ótima ou boa caiu para 35%, e subiu para 30% como ruim ou péssima.

Ele segurou o quanto pode o general no cargo e, ao tirá-lo, o fez cheio de elogios. Pressionado pelo clima de calamidade que tomou conta do pais, nesse momento que o Brasil é o epicentro mundial da pandemia, Bolsonaro trocou mais uma vez o ministro da Saúde. 

No entanto, quando substituiu o general Eduardo Pazuello pelo médico Marcelo Queiroga, defendeu que a gestão “deve ser de continuidade”, passando o recado para o eleitor de que sua estratégia sanitária permanecerá sem alteração.

Continua após a publicidade
Publicidade