Clique e assine a partir de 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Projeto aprovado na Câmara permite ações religiosas com índios isolados

Indigenistas e indígenas reclamam que povos isolados foram usados como moeda de troca política no Congresso, e demonstram indignação com brecha aberta

Por Matheus Leitão - Atualizado em 22 maio 2020, 12h55 - Publicado em 22 maio 2020, 12h00

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira, 21, um projeto de lei que determina medidas urgentes de apoio aos povos indígenas em razão da pandemia do coronavírus. Era para ser um dia de comemorações entre as diversas etnias, mas o texto causou indignação em indígenas e em indigenistas por abrir brecha para missões religiosas em áreas de índios isolados.

O projeto ampliou a chance de que pessoas com objetivos religiosos entrem em contato com essas comunidades – hoje o Brasil tem 114 registros desses povos, dos quais 28 são confirmados. De acordo com especialistas, os índios isolados teriam sido usados como moeda de troca política no Congresso durante a negociação que levou à aprovação da proposta.

Como a coluna mostrou nesta semana, o projeto de lei 1142/2020 estava cercado de expectativas por partes de indigenistas, que consideravam a aprovação do texto como algo histórico, a começar pela escolha da relatora da proposta, a deputada indígena Joenia Wapichana (Rede-RR).

No entanto, apesar dos benefícios trazidos pela proposta em meio à pandemia, indigenistas reclamam da redação de um dos parágrafos do artigo 13 do projeto de lei, que proíbe o ingresso de terceiros em áreas com a presença confirmada de indígenas isolados.

Continua após a publicidade

No parágrafo 1º do artigo 13, o texto afirma, contudo, que “as missões de cunho religioso que já estejam nas comunidades indígenas deverão ser avaliadas pela equipe de saúde […] e poderão permanecer mediante aval médico responsável”. Ou seja, na prática, poderão ficar nas áreas onde existem alguns desses 28 povos isolados (a maior parte deles está na Amazônia).

ASSINE VEJA

Coronavírus: ninguém está imune Como a pandemia afeta crianças e adolescentes, a delação que ameaça Witzel e mais. Leia na edição da semana
Clique e Assine

Segundo estudiosos, o trecho sobre as missões religiosas foi incluído de última hora, após uma negociação feita pelo Centrão, a pedido do DEM, e acatado pela relatora do projeto. O trecho foi chamado pelos indigenistas de “jabuti”, nome dado a pontos que não têm relação com o tema original do projeto e que são incluídos de ultima hora.

Em nota de repúdio divulgada nesta sexta-feira, 22, a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB) afirma que repudia “absolutamente a tentativa de liberar as Terras Indígenas com a presença de isolados para o acesso de missionários”.

Segundo a COIAB, “a invasão dos missionários sempre trouxe tragédia e morte para os parentes que foram forçados ao contato”. Na conclusão da nota, a COIAB pede a exclusão de parte do artigo 13 do projeto, já que ele ainda tramitará no Senado, “e a imediata remoção de missionários” de terras com presença de povos isolados.

Continua após a publicidade

A luta de indigenistas, servidores e técnicos da Fundação Nacional do Índio (Funai) contra atividades religiosas nas tribos de índios isolados se intensificou nos últimos meses, principalmente após a nomeação do antropólogo e missionário Ricardo Lopes Dias para a Coordenação-Geral de Índios Isolados e Recém Contatados do órgão.

Após algumas idas e vindas em relação ao caso na Justiça, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região anulou, nesta quinta-feira, 21, a nomeação de Ricardo Lopes Dias para o cargo.

O que diz a relatora do projeto

Procurada pela coluna, a deputada Joenia Wapichana afirmou que parágrafo 1º do art. 13 do substitutivo aprovado “não abre a possibilidade de entrada de missionários em Terras de Indígenas Isolados e nem legaliza essa prática”. “O que o item faz é prever a possibilidade que aqueles que lá já estão permaneçam durante o período da quarentena, se autorizado pela SESAI, que irá avaliar a segurança epidemiológica, para não contribuir com a circulação do vírus”, diz.

Continua após a publicidade

“Está tendo uma interpretação diferente. Não é o meu desejo, principalmente por ser indígena, ir contra os direitos dos povos indígenas, incluído os povos isolados. O PL 1142/2020 agora segue para o Senado, onde há a possibilidade de aprimoramento e correção do que for necessário. Lá continuaremos nossa luta para a sua aprovação que poderá garantir a proteção da vida dos povos indígenas, quilombolas e povos de comunidades tradicionais, nesse período de pandemia”.

Publicidade