Clique e assine a partir de 8,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Bom jornalismo ainda é o melhor remédio

Em entrevista para rede de TV americana, Trump se enrola até em pergunta sobre se fez teste da Covid-19 antes do último debate

Por Matheus Leitão - Atualizado em 16 out 2020, 18h03 - Publicado em 16 out 2020, 17h54

No meio de tanta informação conflitante nos tempos atuais, a jornalista americana Savannah Guthrie mostrou nesta quinta-feira, 15, que o bom jornalismo é o melhor antídoto contra os governantes que gostam de usar as redes sociais para espalhar versões distantes da realidade.

Savannah se tornou o assunto do dia nos Estados Unidos após a entrevista realizada com o presidente daquele país, Donald Trump, candidato à reeleição na disputa que acontecerá no dia 3 de novembro.

Quando anunciou a entrevista com Donald Trump, a rede de televisão NBC recebeu muitas críticas, inclusive de profissionais que trabalham na empresa. A entrevista foi marcada depois da recusa de Trump em participar de um debate com seu adversário, o democrata Joe Biden.

Apesar dos ataques recebidos e das dúvidas sobre a força que a entrevista poderia dar a Trump, assim que Savannah Guthrie começou a fazer suas perguntas, as críticas acabaram. A apresentadora apertou, no jargão jornalístico, Trump em todos os pontos que tocou, levando a entrevista a ser um dos assuntos mais comentados da imprensa americana.

Em vários momentos, o presidente norte-americano se “enrolou” e chegou a reclamar da forma como os jornalistas trataram a sua entrevista e a de Joe Biden, que esteve na emissora no início de outubro. Segundo Trump, o moderador Lester Holt fez perguntas como se Biden fosse uma criança.

Continua após a publicidade

Na transmissão de ontem, Savannah Githrie tocou em assuntos polêmicos, como o diagnóstico positivo de Trump para a Covid-19. A jornalista questionou o presidente sobre quando foi a última vez que ele testou negativo para a doença antes de ser infectado.

Ao ser perguntado se ele havia feito o teste no dia do debate com Joe Biden, em 29 de setembro, Trump desconversou. “Não sei, nem lembro, eu testo o tempo todo”, afirmou o presidente. Questionado novamente pela jornalista se naquele dia houve teste, Trump voltou a fugir: “possivelmente sim”. O problema é que se não tiver feito teste, Trump descumpriu as regras estabelecidas pelo comitê que organizou o debate. Ela fez e refez a mesma pergunta e ele literalmente não conseguiu responder.

Trump divulgou que seu teste para Covid-19 deu positivo no dia 2 de outubro, depois de passar meses minimizando a doença. O presidente norte-americano tem 74 anos de idade e faz parte do grupo de risco. Ele chegou a ficar internado em um hospital para tratar o vírus e acabou criticado ao chegar na Casa Branca e retirar a máscara, assim que saiu do hospital. 

Mesmo tendo passado por esse momento, ele continuou estimulando as pessoas a subestimarem os riscos. Pelo resultado do teste, é possível que o presidente já estivesse contaminado no debate com Joe Biden, no dia 29 de setembro. Já o teste de Biden deu negativo para a doença.

Em outro ponto importante da entrevista, Savannah Guthrie rebateu Donald Trump sobre o uso do Twitter. A jornalista questionou um tweet do presidente sugerindo a existência de uma teoria de que Biden e o ex-presidente Barack Obama orquestraram um “encobrimento”, que incluía o Navy Seal Team Six, uma das principais unidades antiterrorismo das forças armadas dos Estados Unidos, sobre a morte do terrorista Osama bin Laden.

“Isso foi um retuíte. Essa foi uma opinião de alguém e isso foi um retuíte. Vou colocá-lo por aí. As pessoas podem decidir por si mesmas”, disse Trump. A resposta irritou a jornalista, que afirmou que Trump “não é o tio louco de alguém que pode retuitar qualquer coisa”.

Continua após a publicidade
Publicidade