Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Paraná Pesquisas: 46,3% aprovam o governo Bolsonaro e 49% desaprovam

Avaliação piora em relação a dezembro, quando a gestão tinha aprovação de mais da metade da população; um terço considera a administração ótima ou boa

Por Da Redação Atualizado em 25 mar 2021, 19h07 - Publicado em 3 mar 2021, 08h56

O país está dividido em relação ao governo Jair Bolsonaro, que tem a aprovação de 46,3% da população, mas é reprovado por 49%, segundo levantamento exclusivo do instituto Paraná Pesquisas feito entre os dias 25 de fevereiro e 1º de março.

A avaliação tem uma oscilação negativa em relação a janeiro (quando 47,2% aprovavam e 48,5% rejeitavam) e a dezembro de 2020, quando mais da metade dos entrevistados aprovava o governo (50,2%) contra 45,3% que o reprovava.

As maiores aprovações a Bolsonaro vêm dos homens (55,1%), dos moradores das regiões Sul (54,1%) e Norte/Centro-Oeste (50,1%) e daqueles que têm entre 35 e 44 anos (49,7%).

Já as maiores reprovações vêm das mulheres (56,1%), dos jovens de 16 a 24 anos (56,4%), dos moradores do Nordeste (55,6%) e daqueles que têm ensino superior completo (50,9%).

Quando a pergunta é sobre como o entrevistado avalia a gestão, Bolsonaro consegue o que vem conseguindo desde o início do seu governo, em janeiro de 2019, mesmo em momentos de crise: a aprovação de ao menos um terço do eleitorado: agora, em fevereiro, 34% consideram a sua gestão ótima ou boa.

Outros 40,6%, no entanto, a avaliam como ruim ou péssima, enquanto 23,7% a consideram regular. O percentual daqueles que afirmam considerar regular a gestão vem caindo ao longo dos meses: era de 27,3% em maio de 2020 – e migrando para quem considera o governo ruim ou péssimo.

A pesquisa foi feita por telefone com 2.080 eleitores de 196 municípios nos 26 estados e no Distrito Federal. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

  • Leia também: Pandemia encurrala governo Bolsonaro, que mostra tímidos sinais de melhora
Continua após a publicidade

Publicidade