Clique e assine a partir de 9,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Palocci alega que não podia ser preso. E perde na justiça

Na última semana, a defesa do ex-ministro Antonio Palocci encaminhou ao juiz Sergio Moro comprovantes de que estava quite com a Justiça Eleitoral. Às vésperas do primeiro turno, o ex-homem forte dos governos Lula e Dilma tentava evitar que sua prisão temporária na Operação Lava-Jato fosse convertida em preventiva, situação em que não há data […]

Por Laryssa Borges - Atualizado em 8 fev 2017, 09h11 - Publicado em 5 out 2016, 13h36

Na última semana, a defesa do ex-ministro Antonio Palocci encaminhou ao juiz Sergio Moro comprovantes de que estava quite com a Justiça Eleitoral. Às vésperas do primeiro turno, o ex-homem forte dos governos Lula e Dilma tentava evitar que sua prisão temporária na Operação Lava-Jato fosse convertida em preventiva, situação em que não há data limite para deixar a cadeia. A defesa do ex-ministro alegava que a Lei Eleitoral impede prisões no período compreendido entre os cinco dias antes do primeiro turno e 48 horas depois do pleito e, por isso, ele não poderia ser detido. Moro ignorou os apelos do petista e decretou na última sexta-feira a prisão preventiva de Palocci. Hoje, nova derrota para o ex-chefe da Fazenda e da Casa Civil. O ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou liminar em habeas corpus e afirmou que não houve irregularidade porque Palocci já era alvo de prisão temporária (fora do período eleitoral), que apenas foi convertida em preventiva.

Publicidade