Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Oi envia carta ao governador do Rio para cobrar dívida de R$ 300 milhões

Em recuperação judicial, empresa diz que  inadimplência está colocando em risco sua sobrevivência 

Por Juliana Castro 21 jan 2021, 13h16

A empresa de telefonia Oi enviou uma carta de seis páginas ao governador do Rio, Cláudio Castro, em que cobra o pagamento de uma dívida de 300 milhões de reais (sem correção monetária). No texto, a companhia afirma que a inadimplência está colocando em risco sua sobrevivência, uma vez que está, inclusive, em processo de recuperação judicial.  O problema, relata a Oi no documento, é antigo e vem desde antes de 2017, quando a questão piorou. A carta é uma notificação preparatória para uma ação na Justiça.

“É necessário, contudo, que haja razoabilidade e colaboração de ambas as partes, pois a Oi também se vê afetada pela pandemia e, como é fato notório, encontra-se em processo de recuperação judicial. A inadimplência do Governo do Rio de Janeiro – de R$ 300 milhões – está colocando em risco a sobrevivência da empresa e tem repercussões imensuráveis”, afirma a empresa na carta, datada de 13 de janeiro de 2021.

  • A Oi alega que recebeu apenas 5,7% do valor faturado pelos serviços prestados no ano de 2020. A dívida referente aos serviços prestados no ano passado somam, segundo a empresa, 147,1 milhões de reais. Entre 2017 e 2019, o débito é de 134,7 milhões de reais. Há ainda dívida anterior a 2017, que totaliza 18,3 milhões de reais- a maior parte discutidos na esfera judicial.

    Na carta, a companhia afirma que vem, desde 2010, prestando regularmente serviços de telecomunicações ao governo do Rio de Janeiro. A Oi disse ainda que se solidariza com o estado no período de pandemia, tanto que “seguiu aceitando as solicitações de contratação e executando regularmente os serviços mesmo diante da exorbitante inadimplência”.

    A companhia encerra o documento afirmando que requer a intervenção do governador “para que, até o final deste mês, sejam efetivados os pagamentos ou ao menos apresentado cronograma”.

    Continua após a publicidade
    Publicidade