Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Ministro Barroso nega intenção de ser candidato em 2018

Representante de pautas ditas progressistas, ministro teve o nome citado por colunista como potencial candidato

Por Laryssa Borges Atualizado em 15 nov 2017, 12h09 - Publicado em 15 nov 2017, 12h02

Principal contraponto a Gilmar Mendes no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Luis Roberto Barroso negou nesta quarta-feira que considere se candidatar à Presidência da República nas eleições de 2018. A hipótese foi citada pelo colunista Elio Gaspari, que, ao analisar o quadro político e possíveis candidatos para a disputa do próximo ano, afirmou que Barroso “não tem a marca do ex-presidente do STF, mas preenche o requisito da ficha limpa de quem nunca se meteu em política eleitoral nem com governos”. No STF, Luis Roberto Barroso é o maior representante de temas considerados progressistas. Partiu dele, por exemplo, propostas de descriminalização do uso de drogas e da prática do aborto para grávidas com até três meses de gestação. Recentemente, ele protagonizou um bate-boca com Gilmar Mendes, em que acusou o colega de toga de ter “parceria com a leniência” diante de crimes de colarinho branco. Mendes, por sua vez, acusou o ministro de ser “advogado de bandidos internacionais” – antes de ser nomeado para o Supremo, Barroso foi advogado do terrorista Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua na Itália, mas refugiado político no Brasil por decisão do ex-presidente Lula.

“Li hoje o artigo de Elio Gaspari que, analisando o quadro político, menciona o meu nome como possível alternativa a candidato a Presidente da República. Gostaria de afirmar, de forma categórica, que eu vivo para pensar o Brasil e ajudar a aprimorar as instituições, mas sempre dentro da minha missão como professor e, circunstancialmente, como Ministro do STF. Em definitivo, asseguro que não passa pela minha cabeça qualquer projeto eleitoral, circunstância que comprometeria a autoridade e a independência de minhas posições”, disse Barroso em nota nesta quarta-feira.

Publicidade