Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bolsonaro decide deixar o PSL

Aliados próximos ao presidente já estão cientes da decisão

Por Leonardo Lellis - Atualizado em 9 out 2019, 19h50 - Publicado em 9 out 2019, 12h56

Uma fonte próxima a Jair Bolsonaro (PSL) disse que o presidente já decidiu deixar o PSL. Aliados mais imediatos estão cientes da decisão.

A insatisfação de Bolsonaro com a legenda pela qual se elegeu presidente da República vinha em uma crescente e foi tornada pública nesta terça-feira, quando afirmou a um apoiador, na saída do Palácio da Alvorada: “Esqueça o PSL”. Na mesma ocasião, disse que o presidente da legenda, o deputado federal Luciano Bivar, “está queimado pra caramba”.

O presidente cochichou sua recomendação nesta terça-feira,  a um eleitor que se apresentou como pré-candidato pelo partido no Recife. Mesmo assim, o rapaz gravou um vídeo ao lado dizendo “Eu, Bolsonaro e Bivar juntos por um novo Recife”.

Bolsonaro pediu que ele não divulgasse a gravação. “Ó cara, não divulga isso, não. O Bivar está queimado para caramba lá. Vai queimar o meu filme também. Esquece esse cara, esquece o partido”. Após ser repreendido, o rapaz fez uma nova gravação: “Viva o Recife, eu e Bolsonaro”.

Publicidade

Bivar tampouco quer Bolsonaro no partido. “A fala dele (Bolsonaro) foi terminal, ele já está afastado. Não disse para esquecer o partido? Está esquecido”, disse Bivar ao blog da jornalista Andréa Sadi.

Um grupo de deputados do PSL divulgou uma nota em apoio ao presidente e cobraram mais “transparência” da gestão de Luciano Bivar no comando da sigla. Nos bastidores, aliados de Bolsonaro afirmam que a gestão de Bivar é “coronelista” e cobram que “a turma de Bolsonaro tome as rédeas do partido”. Parlamentares próximos ao presidente da República cobram maior presença em cargos na direção do partido. Uma outra ala do partido, no entanto, afirma que Bivar cedeu em vários pedidos e que Bolsonaro deve gratidão ao atual comandante do PSL.

 

Publicidade