Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bolsonaristas usam morte de PM na Bahia para atacar Rui Costa e o lockdown

Bia Kicis chamou policial que atirou contra colegas de ‘herói’, enquanto Eduardo Bolsonaro afirmou que o 'sistema ditatorial vai mudar'; PMs ameaçam greve

Por Da Redação Atualizado em 29 mar 2021, 15h34 - Publicado em 29 mar 2021, 10h45

Nas redes sociais, deputados bolsonaristas homenagearam o policial militar Wesley Soares Góes, que efetuou disparos no Farol da Barra, em Salvador, no último domingo, 29. Após um período de negociações de cerca de três horas e meia com o Bope (batalhão de operações especiais), o PM disparou contra os policiais e foi atingido com pelo menos dez tiros. Ele foi levado ao Hospital Geral do Estado, onde morreu.

O policial, que tinha o rosto pintado de verde e amarelo, afirmava durante o cerco que não iria “permitir que violem a dignidade e a honra de um trabalhador”, aparentemente se referindo às ações policiais para garantir o fechamento das atividades comerciais e a implantação das restrições estabelecidas no plano do governo para conter o avanço do novo coronavírus.

Os apoiadores mais ideológicos do presidente Jair Bolsonaro passaram a compartilhar nas redes sociais posts com vídeos da ação e homenagens ao policial, que chegou a ser chamado de “herói” pela deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. “Soldado da PM da Bahia abatido por seus companheiros. Morreu porque se recusou a prender trabalhadores. Esse soldado é um herói”.

A deputada também chamou as medidas restritivas do estado de “ordens ilegais do governador Rui Costa”. Depois, ela apagou o tuíte.

Tuíte da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) sobre a morte de PM na Bahia; depois, ela apagou
Twitter/Reprodução

O deputado federal e filho do presidente, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), disse que “aos vocacionados em combater o crime, prender trabalhador é a maior punição”. “Esse sistema ditatorial vai mudar. Estão brincando de democracia achando que o povo é otário. Que Deus conforte os familiares do PM-BA”, postou.

Já Carla Zambelli (PSL-SP) disse sentir muito a morte do PM e ser  “difícil aguentar tanta pressão”.

Após a morte de Wesley, policiais militares da Bahia estão ameaçando realizar uma greve. Nas redes sociais, eles também articulam protestos contra Rui Costa. Uma manifestação ocorreu no domingo, em frente ao Hospital Geral do Estado. Durante o ato, manifestantes gritavam palavras de ordem como “A PM parou”.

A ASPRA (Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia) está convocando uma manifestação no Farol da Barra pela morte do policial para esta segunda-feira, 29.

Continua após a publicidade
Publicidade