Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Letra de Médico Por Adriana Dias Lopes Orientações médicas diárias e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil

Remédio para diabetes protege contra eventos cardiovasculares

Estudo mostra que esse efeito protetor reduz a taxa de mortalidade entre os diabéticos

Por Freddy Eliaschewitz - Atualizado em 21 nov 2019, 13h59 - Publicado em 21 nov 2019, 13h17

Desde 2005, são usados os chamados análogos do GLP-1 no tratamento do diabetes tipo 2. Essa classe de medicamentos é baseada no hormônio produzido pelo intestino em resposta à ingestão de alimentos, o GLP-1.

O GLP-1 estimula a produção de insulina apenas quando os níveis de açúcar no sangue estão elevados; desta forma, ajuda a controlá-los sem causar hipoglicemia (queda exagerada do açúcar no sangue). Além disso, o GLP-1  tem um efeito inibidor do apetite que leva o paciente a perder peso, o que também contribui para controlar o diabetes.

Nos últimos cinco anos, diversos estudos comprovaram que o uso dos agonistas do GLP-1 em pacientes diabéticos do tipo 2, que haviam sofrido eventos cardiovasculares, como derrame ou ataque cardíaco, diminuía a chance de um novo evento. Este efeito protetor leva à diminuição da mortalidade nesta população.

Novas diretrizes

Em virtude desta descoberta, desde 2018, as novas diretrizes do tratamento do diabetes recomendam que sejam usados preferencialmente estes medicamentos para o tratamento do diabetes, em pacientes com alto risco de sofrerem eventos cardiovasculares. Os medicamentos desta classe, disponíveis no país, que comprovaram ter esse benefício são a liraglutida (victosa®) e a semaglutida (ozempic®)

Publicidade

A novidade vem com a publicação do estudo REWIND, em que pela primeira vez se demonstrou que o análogo do GLP-1, a dulaglutida (trulicity®), tem o mesmo efeito protetor quando utilizado em pacientes diabéticos que nunca sofreram qualquer evento cardiovascular.

Diante desse achado, o próximo passo é investigar se esse benefício ocorre quando esses medicamentos são utilizados em pacientes que não tem diabetes. Para tanto, estão em curso estudos recrutando pacientes de alto risco cardiovascular por serem obesos que já sofreram ataque cardíaco, derrame ou qualquer tipo de evento cardiovascular, mas que tem açúcar no sangue normal.

Considerando que, atualmente a doença cardiovascular é a principal causa de morte no mundo, pode-se avaliar a importância destes estudos.

O Brasil também participa desse esforço internacional através de centros de pesquisa como o CPClin, sob a responsabilidade da endocrinologista brasileira Denise Reis Franco.

Publicidade

Referências:

  1. Kristensen SL, Rørth R, Jhund PS, Docherty KF, Sattar N, Preiss D, Køber L,Petrie MC, McMurray JJV. Cardiovascular, mortality, and kidney outcomes with GLP-1 receptor agonists in patients with type 2 diabetes: a systematic review and meta-analysis of cardiovascular outcome trials. Lancet Diabetes Endocrinol. 2019 Oct;7(10):776-785.
  2. Gerstein HC, Colhoun HM, Dagenais GR, Diaz R, Lakshmanan M, Pais P, Probstfield J, Riesmeyer JS, Riddle MC, Rydén L, Xavier D, Atisso CM, Dyal L,Hall S, Rao-Melacini P, Wong G, Avezum A, Basile J, Chung N, Conget I, Cushman WC, Franek E, Hancu N, Hanefeld M, Holt S, Jansky P, Keltai M, Lanas F, Leiter LA, Lopez-Jaramillo P, Cardona Munoz EG, Pirags V, Pogosova N, Raubenheimer PJ,Shaw JE, Sheu WH, Temelkova-Kurktschiev T; REWIND Investigators. Dulaglutide and cardiovascular outcomes in type 2 diabetes (REWIND): a double-blind, randomised placebo-controlled trial. Lancet. 2019 Jul 13;394(10193):121-130. doi:10.1016/S0140-6736(19)31149-3.

 

 Heitor Feitosa/VEJA.com

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida

Eduardo Rauen, nutrólogo
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde, psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista

Marcelo Bendhack, urologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Roberto Kalil, cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista

Publicidade