Clique e assine a partir de 9,90/mês
Letra de Médico Por Adriana Dias Lopes Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil

O que são as interfaces cérebro-máquina, e como as utilizaremos?

No futuro, o aperfeiçoamento dessas interfaces poderá beneficiar indivíduos com lesões medulares que precisam se comunicar com um exoesqueleto

Por Arthur Cukiert - 22 May 2017, 16h43

Os robôs e sua a relação com os humanos faz parte do imaginário de muitos de nós. Para que possamos nos comunicar com as máquinas, são necessárias as chamadas interfaces cérebro-máquina. O termo interface está hoje intimamente relacionado a computadores etc. Mas como isto se aplica ao nosso cérebro?

As células cerebrais, os neurônios, se comunicam por fenômenos elétricos uns com os outros. Apesar de conhecermos o resultado desta atividade (movimento, pensamento, sensações), temos ainda que decodificar a linguagem elétrica entre estas células. Se conhecermos esta linguagem, saberemos como reproduzi-la e utiliza-la, criando sinais elétricos artificiais com o significado que desejamos.

Já temos a capacidade de registrar a atividade de neurônios individualmente e em grupo, e estes estudos podem ser realizados em animais e primatas vivos e despertos. Já foi possível interpretar de modo rudimentar a linguagem da porção do cérebro que realiza movimentos, e realizar movimentos com o poder do cérebro transferido para computadores.

Hoje, milhares de neurônios já podem ser estudados simultaneamente e possuímos computadores com velocidade de processamento muito maior que de nosso cérebro. Nosso conhecimento sobre a linguagem das células cerebrais avança rapidamente. Não demorará muito para que nossa atividade cerebral possa ser digitalizada, com maior ou menor complexidade e possa ter acesso a equipamentos robóticos.

Continua após a publicidade

Não é difícil imaginar o benefício para indivíduos como aqueles com lesões medulares, lamentavelmente comuns após acidentes, que possuem um cérebro e inteligência normais, e precisam comunicar-se com um exoesqueleto para voltar a ter uma vida mais confortável.

Parece simples, mas não é. No entanto, o progresso tem sido rápido.

Felipe Cotrim/VEJA.com

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde,
psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil – cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista
Walmir Coutinho, endocrinologista

Publicidade