Clique e assine a partir de 8,90/mês
Impacto Por Jennifer Ann Thomas Respirou, causou. Toda e qualquer ação transforma o mundo ao nosso redor.

Vídeo: Greta Thunberg pede ajuda para combate ao coronavírus em Manaus

Na gravação, obtida com exclusividade por VEJA, a ativista sueca e outros ambientalistas criticam Bolsonaro e pedem doações à capital do Amazonas

Por Jennifer Ann Thomas - Atualizado em 14 Maio 2020, 18h17 - Publicado em 14 Maio 2020, 15h59

“Manaus é a capital do estado do Amazonas no Brasil. É o coração do que você conhece como a Floresta Amazônica”. A explicação sobre a região brasileira foi feita em inglês pela ativista ambiental sueca Greta Thunberg, de 17 anos, que se tornou o rosto das manifestações pela proteção do meio ambiente no mundo. Em um vídeo endereçado também a líderes globais, Greta e um grupo de ativistas pedem ajuda para a capital amazonense: “Manaus é o epicentro da pandemia de Covid-19 na Floresta Amazônica”, declarou o brasileiro João Duccini, de 21 anos. Na sequência, a também brasileira Valentina Ruas, de 16 anos, afirmou: “E o seu sistema de saúde não vai colapsar”, “porque ele já colapsou”, concluiu Amália Garcez, de 16 anos. Treze ativistas de diferentes países, como Brasil, Irlanda do Norte, Nova Zelândia, Portugal e Suécia, participaram da gravação. Em português, todos, incluindo Greta, concluem com a mensagem: “salvem a Amazônia”.

Em um comunicado elaborado pelo movimento Fridays For Future, que ficou conhecido por levar milhares de pessoas às ruas às sextas-feiras em protestos pelo clima (agora adaptados ao universo virtual, por causa da pandemia), o grupo fez duras críticas ao governo do presidente Jair Bolsonaro, acusado pelos ativistas de “negacionismo” em meio à pandemia, e pediu sua renúncia: “Ano passado, Bolsonaro falou que o desmatamento é “cultural” no país e que não vai acabar. Em 2019, a área total desmatada da Amazônia foi de 172 mil de campos de futebol. Nesse ritmo e com essas atitudes, a biodiversidade do Brasil e do mundo chegará a um ponto sem retorno. Isso é o perfil de um governo ecocida e genocida, que coloca o lucro acima de vidas, da natureza e do futuro da humanidade, e que foge quando suas irresponsabilidades e incapacidades são expostas. Um presidente que abandona seu próprio povo não pode permanecer no cargo. Um presidente que não responde à altura das crises que enfrentamos deve ser substituído. O maior ato de Bolsonaro para conter esta crise, e que será seu mais nobre ato, será a renúncia”.

Leia, a seguir, a carta aberta assinada pelos ativistas do Fridays For Future:

O novo coronavírus provocou uma ruptura em todo o planeta. Vidas foram perdidas em todos os cantos do globo, e infelizmente alguns insistem em negar a existência dessa tragédia. Esse negacionismo é ainda mais perigoso quando vem de um chefe de Estado e chefe de governo.

Os diversos países ao redor do mundo prepararam-se para conter rapidamente a crise, e colocaram #PessoasAcimaDoLucro na remediação da maior ruptura social desde a II Guerra Mundial. No Brasil, país onde fica a maior parte da Amazônia, isso não aconteceu. O governo federal recusou-se acreditar na pandemia, ignorando os cientistas nacionais e da comunidade internacional. Rapidamente, o país se tornou um dos maiores cenários trágicos da crise.

Continua após a publicidade

Manaus é a capital do estado brasileiro Amazonas, configura-se como Metrópole da Amazônia (junto com Belém do Pará) e é, certamente, o coração da maior floresta tropical do mundo. É uma área quase que remota, com pouca visibilidade nacional. O sistema de saúde de Manaus colapsou, e ainda sequer foi atingido o pico da curva da pandemia. A equipe da prefeitura de Manaus nos denunciou mais de 100 mortes por dia em decorrência da COVID-19, cujo resultado sequer é apurado devido às subnotificações. As autoridades públicas do coração da Amazônia emitiram um pedido de socorro ao mundo, que não pode ser ignorado: os países que já recuperaram seus sistemas de saúde nessa crise, tenham misericórdia, e evitem a morte em massa das pessoas da Amazônia. Manaus pede por respiradores, equipamentos médicos, pessoal qualificado, voluntários.

Como todos sabem, a emergência climática é o maior desafio da nossa geração. É um caminho sem volta rumo à extinção de toda a sociedade, de todos os países, de todos os continentes. A morte em massa da população da Amazônia, e ressaltamos, das populações nativas, será uma perda cujas consequências serão globais. Mais do que nunca, o desmatamento avança rapidamente na Amazônia, que logo entrará em fase de não retorno.

Nós, estudantes, que tomamos as ruas do mundo em grandes demonstrações públicas nos últimos dois anos, que pedimos a todos vocês que nos preservem o futuro e o futuro das próximas gerações, voltamos a nos manifestar, dessa vez de forma virtual, para vos pedir que evitem o desaparecimento da população da Amazônia.

Por favor, salvem Manaus.
Salvem a Amazônia.
#DefendTheDefenders

Fridays for Future Brasil
– Abel Rodrigues, Representante da Amazônia
– Amália Garcez, Representante do movimento no Brasil
– Daniel Holanda, Representante do movimento no Brasil
– Fernanda Rodrigues, Representante da Amazônia
– Iann Coelho, Representante do movimento no Brasil
– Janderson Sarmento, Representante da Amazônia
– João Duccini, Representante do movimento no Brasil
– Valentina Ruas, Representante do movimento no Brasil

Fridays for Future Internacional
– Anna Kernahan, Norte da Irlanda
– Bianca Castro, Portugal
– Greta Thunberg, Suécia
– Isabelle Axelsson, Suécia
– Aurélie Bray, Nova Zelândia

Também estou no Twitter, no Instagram e no Facebook.

Continua após a publicidade
Publicidade