Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Headlines Por Blog Histórias que ganharam as manchetes pelo mundo

Médico e enfermeira amantes são presos por matarem pacientes na Itália

O casal aplicava medicamentos letais em doentes e também planejou a morte de familiares

Por Da redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h10 - Publicado em 4 dez 2016, 15h00

Em um caso que está chocando a Itália, um anestesista e sua amante enfermeira foram presos em Milão na última terça-feira, por matarem ao menos cinco pacientes com abuso de medicamentos. Leonardo Cazzaniga, de 60 anos, se autodenominava o “anjo da morte” e  aplicava o”protocolo Cazzaniga”, um mix letal de medicamentos intravenosos, em pacientes idosos no hospital da cidade Saronno, na região da Lombardia.

Segundo as investigações preliminares, que duraram dois anos e meio, os assassinatos foram cometidos pelo anestesista e pela sua amante e cúmplice, Laura Toroni, de 40 anos, que também trabalhava no hospital. No primeiro interrogatório, na quinta-feira, Cazzaniga alegou que apenas queria “aliviar o sofrimento dos pacientes”, enquanto Laura se recusou a comentar sua participação.

Em quatro dos casos analisados pela polícia, que aconteceram entre fevereiro de 2012 e abril de 2013, a morte dos pacientes foi causada sem dúvida pela administração do coquetel de medicamentos. O “protocolo” do anestesista também foi percebido em outros falecimentos, porém, se tratavam de pacientes que já iriam morrer. Os policiais ainda apreenderam mais de cinquenta registros médicos do hospital para avaliação.

Continua após a publicidade

Cazzaniga e Toroni também são suspeitos de matarem o pai do anestesista e a mãe da enfermeira. Outro plano diabólico do casal foi a morte do marido de Toroni, de 45 anos, fazendo com que ele acreditasse que tinha diabetes. Durante anos, o homem recebeu remédios que, de acordo com as investigações, eram “totalmente incompatíveis” com seu verdadeiro estado de saúde.

A polícia chegou a interceptar ligações do telefone da enfermeira, nas quais diz para Cazzaniga que está disposta a matar seus dois filhos, de 8 e 11 anos, “se ele quiser”. Toroni administrava uma grande quantidade de remédios, até ansiolíticos, em seu filho mais velho e discutia com a criança possíveis homicídios de outros membros da família. “Não sabe como nossas mentes homicidas são geniais juntas?”, diz o garoto à mãe, em uma das conversas gravadas.

As investigações sobre o casal de amantes começaram a partir de uma denúncia de uma profissional de saúde do hospital. Mais de 14 pessoas, entre médicos e outros funcionários da clínica, também podem ser acusados por omissão de denúncia e favorecimento.

Continua após a publicidade
Publicidade