Clique e assine com até 92% de desconto
Felipe Moura Brasil Por Blog Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

Vídeo – Rogério Marinho detona UNE e cobra do MEC combate à doutrinação ideológica nas escolas

"Nada mais criminoso que impor às crianças um único pensamento", diz deputado

Por Felipe Moura Brasil Atualizado em 30 jul 2020, 22h20 - Publicado em 6 jul 2016, 17h05

Na sessão de terça-feira (5) da Comissão de Educação da Câmara, com a presença do ministro Mendonça Filho (DEM-PE), o deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) cobrou do MEC o combate à doutrinação ideológica imposta aos estudantes brasileiros por militantes políticos disfarçados de professores.

“Se as pessoas não querem uma Escola Sem Partido”, disse Marinho em alusão ao projeto criado por Miguel Nagib, “certamente querem uma escola com partido. E eu não aceito esse tipo de situação… da doutrinação e da hegemonia de um único pensamento, que é, evidentemente, uma estratégia de um grupo que passou 13 anos no poder e pretendia se manter com esse artifício”, completou o deputado.

A estratégia, no caso, é a da Revolução Cultural proposta pelo ideólogo comunista italiano Antonio Gramsci e seguida à risca pela esquerda brasileira nas últimas décadas com a “ocupação de espaços” nos centros disseminadores de ideias da sociedade até a hegemonia cultural permitir a tomada do poder político pelos petistas, com os desastrosos resultados já conhecidos.

“Não há nada mais criminoso do que impor às crianças um único pensamento, e o que é pior, fazendo assédio moral nas provas, prejudicando a educação dos brasileiros”, disse Marinho.

O deputado também detonou a UNE por protestar contra o impeachment de Dilma, mas não contra a “catástrofe” da educação – esta que, segundo Marinho, tem muito menos a ver com dinheiro disponível do que com a qualidade dos gastos.

Continua após a publicidade

“O problema da educação brasileira começa pela formação dos professores, que não estão instrumentalizados, não têm a ferramenta necessária para ir à sala de aula e conseguir alfabetizar a criança na idade adequada”, explicou o deputado, referindo-se aos atributos intelectuais e pedagógicos do corpo docente nacional.

Marinho voltou a defender que a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) seja aprovada pelo Congresso Nacional, conforme prevê projeto de sua autoria em tramitação na Câmara.

Assista ao vídeo editado por este blog:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=USOSzlrCxL8?feature=oembed&w=500&h=281%5D

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e no Youtube.

Continua após a publicidade
Publicidade