Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Felipe Moura Brasil Por Blog Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

A perseguição aos judeus na UFSM: solicitação original é ainda mais asquerosa que memorando do pró-reitor

José Fernando Schlosser, pró-reitor substituto da Universidade Federal de Santa Maria-RS, enviou um memorando aos responsáveis pelos programas de pós-graduação cobrando “o envio urgente” de uma relação de alunos e professores oriundos de Israel. O texto informa que “esta demanda atende solicitação de requerimento de representantes da SEDUFS, ASSUFSM, DCE e Comitê de solidariedade ao […]

Por Felipe Moura Brasil Atualizado em 31 jul 2020, 01h13 - Publicado em 4 jun 2015, 17h59

Jose-Fernando-Schlosser-480x369

José Fernando Schlosser, pró-reitor substituto da Universidade Federal de Santa Maria-RS, enviou um memorando aos responsáveis pelos programas de pós-graduação cobrando “o envio urgente” de uma relação de alunos e professores oriundos de Israel.

O texto informa que “esta demanda atende solicitação de requerimento de representantes da SEDUFS, ASSUFSM, DCE e Comitê de solidariedade ao povo palestino”.

Ou seja: grupos militantes pró-Palestina queriam identificar todos os judeus locais, assim como grupos oficiais e para-oficiais faziam na Alemanha, nos anos precedentes ao Holocausto.

O memorando ganhou repercussão e críticas na internet ontem e hoje, mas a solicitação original dos grupos militantes é ainda mais asquerosa em sua propaganda anti-israelense.

Ela escancara a razão do pedido em duas linhas, ao considerar “lamentáveis” os fatos ocorridos na Palestina, mais especificamente “a agressão de Israel à Faixa de Gaza”.

Em seguida, cita princípios constitucionais brasileiros que teriam sido “flagrante e covardemente violados” pelo Estado de Israel no “massacre” contra o povo palestino. A palavra “massacre”, no caso, é atribuída a Dilma Rousseff, a “primeira mandatária” do antissemitismo nacional.

O documento tem sete parágrafos iniciados por “CONSIDERANDO”, sendo que as únicas coisas a serem consideradas sobre o conflito histórico são essas afetações de indignação contra Israel.

O grupo terrorista islâmico Hamas, que, sob vista grossa da Autoridade Nacional Palestina, ataca o povo israelense dia e noite com mísseis e homens-bombas, obviamente nem é mencionado.

Continua após a publicidade

Depois dos sete “CONSIDERANDOS”, vêm mais 5 itens de pressão política sobre a UFSM sob a forma de questionamentos acerca das relações da universidade com recursos, empresas, pessoas jurídicas, professores e alunos vinculados a Israel, para então encerrar com a solicitação dos respectivos nomes e cópias dos documentos correspondentes.

É ver para crer.

UFSM 1

UFSM 2

UFSM 3

* Relembre aqui no blog (em vez de cair no engodo acima):

– Indispensáveis: 4 vídeos curtos para entender relações Israel-Hamas-ONU e conflito no Oriente Médio

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Continua após a publicidade
Publicidade