Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Felipe Moura Brasil Por Blog Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

A história dos chefes petistas se repete como farsa

Procurador Marx trata Lula em denúncia como PGR tratava Dirceu no mensalão

Por Felipe Moura Brasil Atualizado em 30 jul 2020, 22h15 - Publicado em 22 jul 2016, 21h10

90823VejadilmaLulaDirceuRicardoStuckertPR

1. Tuitadas

– Imprensa petista tenta conter danos, destacando frase de João Santana sobre frequência do caixa 2 no Brasil – usada para legitimar o crime.

– Dilma e Gleisi, cujas campanhas foram pagas com propina segundo a Lava Jato, sempre posaram de representantes das mulheres. Não representam.

– Paulo Bernardo agiu como “operador” de Gleisi Hoffmann, diz PGR ao STF. O PT já pode lançar o livro “Casais petistas enriquecem juntos”.

– Defesa de Gleisi e Bernardo “transborda o limite razoável da argumentação”, diz PGR. Quer falar à Justiça como fala na Bancada da Chupeta.

– Sergio Moro: advogados de Lula confundem “sua inconformidade com as decisões judiciais com causas de suspeição”. Traduzindo: chorem mais.

– Moro diz que tinha elementos para decretar prisão temporária de Lula em março, mas optou pela medida “menos gravosa” da condução coercitiva. #LulaIngrato

2. Os chefes

Na denúncia protocolada na quinta-feira (22) na Justiça Federal em Brasília, o procurador Ivan Marx explicou que não se deve esperar uma prova cabal da atuação de Lula na tentativa de comprar o silêncio do delator Nestor Cerveró.

Continua após a publicidade

“Não se pode desconsiderar que, em uma organização criminosa, o chefe sempre restará na penumbra, protegido, de modo que não há de se esperar, contra este, uma prova tal como uma ordem objetiva gravada ou mesmo uma filmagem de entrega pessoal de valores.”

Delcídio do Amaral, segundo Marx, aponta Lula como “sendo o chefe da empreitada”.

“Aqui, a narrativa de Delcídio se demonstrou clara, plausível e, ainda, corroborada pela existência das reuniões prévias que realizou com Lula antes de Bumlai passar a custear os valores destinados a comprar o silêncio de Cerveró.”

A explicação de Marx (o Ivan, ok?) sobre o caso de Lula é praticamente a mesma que foi dada pelo então procurador-geral da República, Roberto Gurgel, sobre a atuação de José Dirceu no mensalão, como mostrei no vídeo “Lula e Dirceu – uma história de cumplicidade”.

Apertando play abaixo, você assiste diretamente ao referido trecho.

Por ironia do destino, um novo Marx veio mostrar que a história petista se repete como farsa.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=YbdiDajIFhk?start=526&feature=oembed&w=500&h=375%5D

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e no Youtube.

Continua após a publicidade

Publicidade