Clique e assine a partir de 9,90/mês
Educação em evidência Por João Batista Oliveira O que as evidências mostram sobre o que funciona de fato na área de Educação? O autor conta com a participação dos leitores para enriquecer esse debate.

Mais gastos melhoram o desempenho educacional?

Estudos reconhecem que mais dinheiro pode importar na educação, mas tudo depende de como ele é gasto

Por João Batista Oliveira - 24 jul 2020, 17h06

A premissa fundamental para defender a ampliação dos recursos para o FUNDEB é a de que há uma relação causal entre recursos e desempenho dos alunos. A literatura acadêmica reconhece que dinheiro pode importar, como documentado por Jackson (2018), citado ao final deste post.

Mas, como o próprio Jackson conclui, tudo depende de como dinheiro é gasto. Estudos mais pontuais, como os de Joana Monteiro (2015) para o Brasil, e de Ganimiam e Murnane (2016) para países em desenvolvimento, corroboram como aumento de gastos em si não levam a melhor desempenho.

Vejamos evidências familiares: o caso do Nordeste, e, no Nordeste, o caso do Ceará. Os quadros 1 e 2 abaixo apresentam a dispersão das notas dos alunos dos municípios do Nordeste na Prova Brasil de 2017 em função do gasto por aluno. O primeiro apresenta os resultados em Língua Portuguesa, e o segundo em Matemática (anos iniciais). A história é essencialmente a mesma:

. É baixa a relação entre gastos e desempenho.
. O desempenho tende a melhorar à medida em que o gasto/aluno se aproxima de 4 mil reais. Abaixo disso os resultados claramente tendem a ser mais baixos.
. Entre 4 e 6 mil reais, aproximadamente, em que se concentra a maioria dos municípios, os resultados variam muito, de pouco mais de 150 até 230 pontos.
. Nessa mesma faixa de gastos, os municípios de Ceará apresentam resultados nitidamente superiores, o que sugere a existência de outros fatores a explicar os resultados. Um estudo recente do Banco Mundial também mostra que a titulação formal dos professores não está relacionada com o desempenho dos alunos no Ceará.
. Acima de 6 mil reais, a dispersão torna-se ainda maior, o que coloca em xeque a ideia de uma associação forte entre gasto e desempenho.

Nota LP 2017 vs Gasto por aluno 2017 – Anos Iniciais

Continua após a publicidade
Educação em Evidência/Reprodução

Nota MT 2017 vs Gasto por aluno 2017 – Anos Iniciais

Educação em Evidência/Reprodução

Já os quadros 3 e 4 apresentam a associação entre a variação de gasto entre os anos de 2007 e 2017 nas notas da Prova Brasil em Língua Portuguesa e Matemática (anos iniciais), em 2017, respectivamente.

Nota LP 2017 vs Variação do gasto por aluno entre 2007 e 2017

Educação em Evidência/Reprodução

Nota MT 2017 vs Variação do gasto por aluno entre 2007 e 2017

Continua após a publicidade
Educação em Evidência/Reprodução

Nos dois casos, os gráficos não sugerem qualquer relação entre variação de gasto e desempenho dos alunos.

Moral da história: até prova em contrário, não existem razões empíricas para justificar gastos adicionais generalizados em educação, especialmente na ausência de outros elementos associados a incentivos e/ou condicionalidades bem articuladas.

Da mesma forma, a ideia de vincular recursos a determinados tipos de gastos – sejam eles gastos de pessoal ou investimento – milita contra o que se sabe sobre gestão eficiente de recursos.

No caso do Ceará, por exemplo, o incentivo dado aos prefeitos em função do desempenho na educação pode ser gasto em qualquer setor. Isso sugere que a ideia de vincular gastos não parece contribuir para melhorar o desempenho dos alunos.

Referência:
Does School Spending Matter? The New Literature on
an Old Question
C. Kirabo Jackson
Northwestern University
Presented at the Fall 2018 Bronfenbrenner Center for Translational Research Conference
December 10, 2018

Publicidade