Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Diário da Vacina Por Laryssa Borges A repórter Laryssa Borges, de VEJA, relata sua participação em uma das mais importantes experiências científicas da atualidade: a busca da vacina contra o coronavírus. Laryssa é voluntária inscrita no programa de testagem do imunizante produzido pelo laboratório Janssen-Cilag, braço farmacêutico da Johnson & Johnson.

Nada é mais contrário à coletividade do que vender vacinas contra a Covid

Se apenas poucas pessoas receberem a vacina, o vírus continuará a se espalhar perigosamente pela sociedade

Por Laryssa Borges Atualizado em 5 jan 2021, 15h22 - Publicado em 4 jan 2021, 10h22

4 de janeiro, 9h01: A clínica que me recrutou como voluntária em busca de uma vacina contra Covid-19 confirmou um novo retorno meu ao local de triagem, no fim do mês, para exames adicionais. Faço parte do grupo de segurança do estudo científico, o que significa que minhas reações ao imunizante são medidas com mais frequência para que se saiba, por exemplo, se desenvolvi anticorpos, se eles ainda persistem no meu organismo, se o antígeno de dose única produzido pela Janssen-Cilag provoca efeitos outros ou se medicamentos que eu tomo podem afetar a eficácia da vacina. Por enquanto, sigo sem sintomas de Covid-19 e também sem reações adversas há mais de um mês.

Às oito horas da manhã do dia 26 de janeiro novas ampolas de sangue serão retiradas do meu corpo e provavelmente marcarão a minha última visita ao centro clínico antes de a Janssen quebrar o duplo-cego para saber quais voluntários receberam placebo, quais receberam a vacina verdadeira e, claro, vacinar aqueles que ajudaram a ciência na pesquisa, mas fizeram parte dos 50% dos voluntários que tomaram soro fisiológico. No início de fevereiro, a empresa pretende apresentar pedido de autorização de uso para a FDA, a agência federal norte-americana responsável por avalizar medicamentos e vacinas no país.

Enquanto esse dia não chega, a discussão sobre as vacinas atingiu um novo patamar: o da possibilidade de imunizantes serem vendidos na rede privada de saúde. Nunca acreditei que o mundo sairia melhor ou mais solidário do pós-pandemia, mas mercadejar os antígenos para quem pode pagar sem antes ter vacinado em larguíssima escala a população brasileira é empurrar a crise sanitária com a barriga e mais uma vez deixar que o mais frágil seja punido.

Senão vejamos: a pandemia não vai acabar se só você, classe média, for vacinado. Se apenas determinadas pessoas receberem a vacina, o vírus continuará a se espalhar perigosamente, com a possibilidade de mutações mais contagiosas, como a detectada no Reino Unido, continuarem nos fazendo companhia por muito tempo. A propagação do vírus só será contida se altos percentuais dos brasileiros estiverem imunizados e, para isso, nada mais eficaz do que uma política pública de ampla vacinação. Pública, frise-se.

Lembremos que o problema de restrição a milhões de doses de vacina não é o custo do antígeno em si, e sim a disponibilidade dele, já que o mundo inteiro se digladia pelo mesmo produto. Nada iria mais na contramão do senso de sociedade (e mesmo de humanidade) se fosse possível desde já oferecer vacinas no mercado privado.

Continua após a publicidade

Publicidade