Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Coluna da Lucília Por Lucília Diniz Um espaço para discutir bem estar, alimentação saudável e inovação

Suspiração

Para superar uma Páscoa engasgada na História, é preciso mudar o modo de respirar

Por Lucília Diniz Atualizado em 2 abr 2021, 15h55 - Publicado em 1 abr 2021, 16h48

Com um ano de pandemia, o sentimento é estranho. Chega a parecer que não se passou tanto tempo assim. Já investiguei entre amigos e pessoas da família. De modo geral, todos sentem que o momentum parece congelado. E é como se, até hoje, estivéssemos suspensos na véspera da Páscoa de 2020.

De modo concreto, a Terra deu uma volta completa ao redor do sol e o calendário aponta, mais uma vez, para a mesma data. Teríamos voltado, portanto, ao mesmo ponto da história. Em um pensamento abstrato, seria esta uma nova chance para recolocar o turbilhão do relógio do deus Chronos no eixo.

Mas, que eixo seria este diante de um novo mundo que ninguém encomendou? Estando a falar de Páscoa, impossível não lembrar de coelhos. Me refiro a um, especificamente. Afinal, pense bem: perde o sentido o Coelho Branco que passa diante de Alice, declarando-se terrivelmente atrasado ao correr para o País das Maravilhas? Ora, permanentemente conectados às redes wi-fi ou ao 4G, ninguém mais se atrasa.

Com um ano de isolamento, garantimos nunca estar sem sinal. E, equipados com smartphones, tablets ou smartwatches, já nos acostumamos a cumprir compromissos sem sair de casa. Pela internet, apontamentos como aulas, reuniões e até consultas têm hora exata para começar. E tamanha acessibilidade não permite que nenhum dos participantes chegue após o início marcado.

Com isso, foram-se os acasos que proporcionaram muitas histórias e encontros. O imprevisto de ceder o lugar, esperar o próximo elevador e neste intervalo conhecer uma pessoa foi transferido para um aplicativo de encontros.

Continua após a publicidade

Por outro lado, já temos a “fadiga de Zoom”. Principal forma de interação em tempos de pandemia, chamadas em vídeo por serviços como Zoom, Google Meet e Microsoft Teams têm demandas específicas para o cérebro, o que leva muita gente a sentir cansaço extremo, dores de cabeça, depressão e crises de ansiedade.

A verdade é que permanecer correndo nesta espécie de esteira ergométrica da História sufoca. Mas isso é de hoje, ou reflexo de uma respiração que há muito tempo não está correta?

Seres humanos, ao contrário de coelhos, somos os piores respiradores do reino animal. E respirar mal cobra um preço alto, ao nos expor a uma série de doenças, algumas delas graves. Esse é o tema de “Respire”, livro do jornalista James Nestor. Calcado em boa ciência, a obra ensina que 90% das pessoas respira incorretamente, pela boca em vez de pelo nariz. O que pode parecer trivial, repetido 25 mil vezes por dia, faz toda a diferença. E como um pequeno ajuste na forma de expirar e inspirar faz diferença.

Contra o pânico tão característico de nossos tempos, respirar fundo e devagar faz aumentar o dióxido de carbono no organismo, o que acalma. Respirar bem pode mais, como rejuvenescer órgãos, deter o ronco e até endireitar a coluna.

Este último item se torna especialmente valioso, tendo em vista mais aquela reunião que está para começar em algum lugar. Portanto, respire fundo e corretamente para manter a calma e cumprir a tarefa, coelho!

Continua após a publicidade
Publicidade