Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Coluna da Lucília Por Lucília Diniz Um espaço para discutir bem estar, alimentação saudável e inovação

Ande de costas para seguir em frente

O corpo em movimento estimula o cérebro e ajuda você a guiar seus próximos passos

Por Lucília Diniz - Atualizado em 3 jan 2020, 18h56 - Publicado em 27 dez 2019, 15h01

Há muito tempo você me ouve falar sobre nutrição, vida saudável e bem-estar. Foi aos 38 anos, com 120 quilos, que mudei tudo para me converter na pessoa que estava destinada a ser – uma pessoa plena e feliz. Hoje tenho 63 anos e metade daquele peso. São 25 anos, portanto, de exposição pública para levar adiante minha luta. Aprendi muito e colhi conquistas nesse caminho em que, em muitos sentidos, fui pioneira.

Se enfatizei o fator tempo foi para chamar a atenção para o fato de que hábitos adotados décadas atrás agora se fazem valer. Eu estava o tempo todo falando de longevidade. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), hoje 54 milhões de brasileiros têm mais de 50 anos e, em 2045, metade da população será sênior. A inversão na pirâmide demográfica no Brasil impacta profundamente a economia. Pessoas com mais de 50 anos representam a terceira maior economia do mundo.

Em referência à maior disposição para a vida dessa geração grisalha, ela é chamada de “Silver Power”. Essa imagem, no entanto, costuma estar limitada a capas de revista e folhetos de planos de aposentadoria privada. A verdade é que o mercado de trabalho, que ainda tem dificuldade em aceitar a diversidade, não reserva lugar para os mais experientes. Diga-me quantas pessoas de cabeça branca e ativas você viu hoje, em sua jornada de consumidor. Não muitas, posso antecipar.

Mas podemos mudar essa realidade. E a mudança começa individualmente, em cada um de nós. As coisas mais importantes não são necessariamente complicadas. Comece pelo mais básico. Para garantir anos melhores no futuro, assegure-se de que continuará firme, em pé. Saúde óssea se constrói com alimentação e movimentos dos ossos. Dieta regrada e academia cara? Pois é, aqui que eu lhe digo, a partir da minha experiência, que devemos descomplicar. A alimentação saudável não é segredo para ninguém e, quando se fala em exercícios, são metas alcançáveis, como caminhar ao final da tarde todos os dias. Apenas isso. Ler também nos faz viver mais – estimula a mente e nos faz mais interessantes. Subir escadas, comer maçãs, jogar tênis.

Publicidade

Fácil demais? Proponho então o exercício de andar de costas. Para evitar riscos, melhor ir até uma esteira, no condomínio ou na academia. Andar de costas é um exercício que estimula o cérebro. A marcha reversiva trabalha lateralidade, equilíbrio, coordenação. Você malha, mas em um ritmo que reduz o impacto sobre as articulações. Seguir em frente pode não ser tão literal. Na percepção da dificuldade, observa-se em que fase da vida nos encontramos.

O que achou dessas recomendações? Vai assumir a responsabilidade pelo seu próprio futuro? Se quiser, podemos conversar por aqui.

Fale com Lucília (lucilia@Ldiniz.com.br)

Publicidade