Clique e assine a partir de 9,90/mês
Cidades sem Fronteiras Por Mariana Barros A cada mês, cinco milhões de pessoas trocam o campo pelo asfalto. Ao final do século seremos a única espécie totalmente urbana do planeta. Conheça aqui os desafios dessa histórica transformação.

Novas regras da Caixa Econômica puxarão os preços dos imóveis para baixo e os aluguéis para cima

Milhares de brasileiros que pretendiam comprar um imóvel ficarão a ver navios. A Caixa Econômica Federal, responsável por 70% dos financiamentos imobiliários do país, mudou as regras do jogo. Para os imóveis que valem até 750 mil reais, a entrada mínima de 20% passou para 50%. Ou seja, quem não tiver na mão metade do valor total, não […]

Por Mariana Barros - Atualizado em 11 fev 2017, 12h33 - Publicado em 4 maio 2015, 13h42

sao-paulo-copan

Milhares de brasileiros que pretendiam comprar um imóvel ficarão a ver navios. A Caixa Econômica Federal, responsável por 70% dos financiamentos imobiliários do país, mudou as regras do jogo. Para os imóveis que valem até 750 mil reais, a entrada mínima de 20% passou para 50%. Ou seja, quem não tiver na mão metade do valor total, não consegue financiar o restante. Já para os imóveis que valem mais de 750 mil reais, a situação é ainda mais complicada. A entrada passou de 30% para 60% do total. As alterações valem para os imóveis usados.

Mesmo se as regras não tivessem mudado, o setor já enfrentaria problemas. É o que mostra o balanço do primeiro trimestre feito pela Abecip (associação do crédito imobiliário): pela primeira vez desde 2002, houve queda no financiamento imobiliário. E a decisão da Caixa de reduzir o teto só reforça essa tendência para os próximos meses.

Primeiro, porque a debandada da poupança continua. E, como os depósitos em poupança são a principal fonte de recurso para os bancos oferecerem financiamento, o jeito é fechar a torneira e reduzir o volume oferecido (reservas secando a níveis críticos, pessoas obrigadas a diminuir o consumo… poupança tem volume morto?).

Continua após a publicidade

De acordo o analista da JP Morgan Marcelo Motta, para continuar emprestando sem poder usar o dinheiro da poupança, a Caixa tem de arcar com um custo mais alto, o que significa aumentar os preços do empréstimo e tirar os incentivos dessa linha. “O empréstimo continuará ficando mais difícil e mais caro, dado o nível de juros e o fato que o estoque de poupança está acabando”, afirma.

Mas as complicações não param por aí.

Segundo o economista e pesquisador Eduardo Zylberstajn, coordenador do índice FipeZap, a dificuldade para adquirir um imóvel terá duas consequências. A primeira é mais imediata e menos impactante. Trata-se do aumento da demanda por locação e o consequente aumento do preço dos aluguéis. Acontece que, como a renda da população está em queda, não há margem para esses valores subirem demais — ou não haverá quem pague por eles.

A segunda consequência é a diminuição do valor de venda dos imóveis. Até 2012, o Brasil aparecia entre os países que tiveram as maiores valorizações imobiliárias. De lá para cá, porém, o cenário mudou. No ano passado, o crescimento foi de apenas 0,9%, enquanto o Reino Unido registrou alta de 9%. E o que teremos neste ano é uma queda real de até 3% nos preços, previsão que já vem se desenhando desde o início deste ano.

Continua após a publicidade

Na China, depois de vinte anos de expansão, a desaceleração do mercado imobiliário e da construção civil foram de tal ordem que até o sistema bancário ficou ameaçado. Com uma experiência como essa no horizonte, cabe ao Brasil todo o cuidado e atenção para evitar que o momento atual avance em direção a cenários econômicos ainda mais complicados.

 

Por Mariana Barros
>> Acompanhe os posts do Cidades sem Fronteiras no Facebook // Siga o blog no Twitter

 

LEIA MAIS
Preço dos imóveis no país deve cair até 3% neste ano

Descubra qual o valor do imóvel que você realmente pode conquistar com o que você ganha por ano

Continua após a publicidade

Conheça os cinco problemas do modo de produzir imóveis no Brasil que alavancam o custo para o consumidor final

Os valores, as metragens e a localização dos dez apartamentos mais caros do Brasil

 

 

Publicidade