Este site utiliza cookies e tecnologias semelhantes para personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao navegar em nosso serviço você aceita tal monitoramento. Para mais informações leia nossa Política de Privacidade
Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
CannabiZ Por Ricardo Amorim Novidades e reflexões sobre o mercado da cannabis legal, no Brasil e no mundo

Deputados brasileiros buscam inspiração no Uruguai para regular cannabis

Nesta quinta-feira, 6 de agosto, parlamentares brasileiros se reuniram com autoridades uruguaias ligadas ao mercado da cannabis em busca de mais detalhes sobre as regras relacionadas à erva naquele país. O Uruguai foi o primeiro país do mundo a legalizar a planta, em 2014, seguido pelo Canadá, em 2018. Apesar do pioneirismo de nossos vizinhos, a regulamentação, muito restrita em algumas áreas, provocou desequilíbrios que, enfim, parecem estar sendo solucionados. O principal deles diz respeito à exportação. Depois de ver a Colômbia assumir o protagonismo latino-americano no comércio internacional da erva, o presidente Luis Lacalle Pou finalmente assinou, também nesta quinta-feira, dois decretos para flexibilizar a exportação de cannabis a fim de liberar os estoques e garantir acesso aos mercados globais, principalmente na Europa.

Enquanto a legislação avançava, os deputados brasileiros realizavam um encontro virtual com o ex-secretário da Junta Nacional de Drogas do governo Pepe Mujica, Julio Calzada, e o presidente da Câmara de Empresas de Cannabis Medicinal do Uruguai (CECAM), Marco Algorta. Integrantes da Comissão Especial sobre Medicamentos Formulados com Cannabis (PL 399/2015), participaram do encontro o seu presidente, Paulo Teixeira (PT-SP), o relator, Luciano Ducci (PSB-PR), os deputados Natália Bonavides (PT-RN) e Eduardo Costa (PTB-PA), além do advogado Rodrigo Mesquita, representante da OAB no colegiado. “Buscamos na experiência do Uruguai e de outros países as boas práticas que possam ser incorporadas pelo Brasil”, afirmou Teixeira.

De acordo com fontes presentes ao encontro, um dos principais interesses dos brasileiros foi a abordagem uruguaia frente às associações de pacientes. Lá, esses coletivos podem cultivar e desenvolver produtos à base de cannabis desde que supervisionados por médicos e farmacêuticos. Calzada, que esteve à frente da formulação do projeto de lei legalizou a erva no país, explicou que são permitidas 200 plantas para até 100 pessoas associadas. “A regulação estabeleceu os parâmetros para a cadeia de produção da cannabis e seus derivados para uso medicinal. O objetivo é garantir a qualidade da produção e habilitar novas formas de acesso dos pacientes aos produtos”, defendeu.

No Brasil, duas associações de pacientes obtiveram na Justiça autorização para plantar e fornecer derivados da erva a seus sócios. Outros cerca de 100 pacientes também conseguiram habeas corpus para produzir seus próprios medicamentos com cannabis. Para os demais cidadãos e empresas, no entanto, o cultivo segue proibido em todo o território nacional. O uruguaio Marco Algorta, presidente da CECAM, acredita que os brasileiros deveriam evitar a criação de leis muito restritas para as associações. “O cultivo associativo deve ser acessível. Quando as leis são muito limitantes, a produção atinge um custo muito alto. O ponto é: fazer com que o centro da regulação seja sempre o paciente. Vejo que as legislações internacionais sobre o assunto ainda não têm seu foco nos pacientes. Por fim, é fundamental permitir que a cannabis medicinal possa estar inserida no contexto do Sistema Único de Saúde, para universalizar o acesso aos produtos”, completou Algorta.

ASSINE VEJA

A nova Guerra Fria Na edição desta semana: como a disputa entre Estados Unidos e China pode ser vantajosa para o Brasil. E mais: ‘Estou vivendo o inferno’, diz Marcelo Odebrecht
Clique e Assine

O projeto de lei 399/2015, de autoria de Fábio Mitidieri (PSD-SE), tramita na Câmara dos Deputados e aguarda o relatório de Luciano Ducci para ser votado na comissão especial. Pacientes, médicos e defensores do uso medicinal da cannabis esperam uma proposta bem mais liberal do que a regulamentação da Anvisa, que veta completamente o cultivo. Resta saber o destino que a iniciativa terá nos corredores do Congresso e no Executivo Federal, a quem cabe promulgá-la. Alguém apostaria em uma sanção por parte do presidente Jair Bolsonaro?

Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Deputados brasileiros buscam inspiração no Uruguai para regular cannabis

  • País vizinho, que legalizou a erva em 2014, autoriza o cultivo por associações de pacientes e se move para virar exportador global

Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Você ainda não tem acesso a esta marca. Escolha uma das ofertas abaixo para assinar

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

MELHOR
OFERTA

DIGITAL PREMIUM PAGUE 1, LEVE 10

Todo conteúdo digital das marcas Abril para você! Veja, Quatro Rodas, Superinteressante, Claudia, Placar, Veja São Paulo, Veja Rio, Veja Saúde, Você S/A e Você RH

a partir de R$ 24,90/mês

ou

40% de desconto

1 ano por R$ 178,80
(cada mês sai por R$ 14,90)

MELHOR
OFERTA

DIGITAL

Todo conteúdo digital de VEJA para você!

Análise e Opinião de especialistas política e economia

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade produzido pelo time VEJA

App VEJA para celular e tablet, atualizados semanalmente com todas as edições da revista

a partir de R$ 19,90/mês