Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Os economistas que previram a crise

Eles passaram quatro anos repetindo: as pirotecnias da política econômica do governo Dilma estourariam depois das eleições

O mais triste da crise atual é que ela foi anunciada. Desde 2011, quando Dilma deu uma rasteira no tripé macroeconômico e passou a desdenhar o câmbio flutuante e o controle de gastos e da inflação, economistas previram que daria tudo errado. Não só previram, mas passaram os últimos anos afirmando, repetindo e se esgoelando que daria tudo errado.

“A troca de crescimento por inflação não é estável; com o tempo, o resultado é apenas inflação mais alta”, disse o economista Alexandre Schwartzman em janeiro de 2012.

“O mais grave do quadro atual é que este governo não demonstra que conhece – ou que concorde – com a importância da preservação do tripé macroeconômico. Portanto, ele corre o risco de desabar”, afirmou a jornalista Beatriz Ferrari na Veja de 18 de abril de 2011.

“Risco é que grau de investimento seja retirado em 2015”, diz uma reportagem do Valor Econômico de novembro de 2013. Paulo Vieira da Cunha, um dos economistas ouvidos pelo Valor, disse: “quem está rodando modelos de análise da dívida pública já vê que ela não é sustentável em um horizonte mais longo, entre 2015 e 2016”.

Há três anos, o economista Adolfo Sachsida descreveu o cenário atual com uma exatidão incrível:

Em 2014, como sempre acontece em ano de eleições, o gasto público dará um salto. Inclua nesse cenário a avalanche de medidas provisórias e intervenções governamentais na economia de todo tipo, inclusive as do BNDES, que aumentam o gasto público e favorecem setores eleitos pelo governo em detrimento do restante da sociedade.

Em 2015, primeiro ano do novo governo eleito, será o momento de pagar a conta da irresponsabilidade fiscal e monetária do passado. Economizem dinheiro, pois quando a crise chegar quem tiver liquidez (dinheiro em caixa) vai conseguir fazer excelentes negócios. A partir de 2015 o Brasil amargará o mesmo tipo de cenário que já enfrentou no começo dos anos 1980.

Esses economistas acertaram em cheio, mas não era preciso ser um vidente ou um grande gênio da economia para fazer essas previsões. Bastava ser um pouco mais inteligente que a equipe econômica do primeiro mandato de Dilma.

@lnarloch

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Rhyan

    O Leandro Roque (e todo pessoal do Mises Brasil em geral) já previam isso há muito mais tempo. Eles falavam em 2010, quando o PIB era de 7,5%, que aquele modelo viciado em crédito barato e consumismo iria desmoronar, nada ali era sustentável.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Allan Carvalho Villegas

    Faltou o Rodrigo Constantino que já alertava da crise em seus vídeos no YOUTUBE.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Thiago Teixeira

    Engrosso o coro: os economistas austríacos previram isso há mais tempo.
    Notadamente Rodrigo Constantino e Leandro Roque.
    De alguma coisa servem as crises. Na da década de 90, o Hélio Beltrão Filho quebrou, e tentou avidamente entender as causas da recessão. Conheceu a escola austríaca. Na década passada, surfou na bolha antecipou-se ao estouro. Retribuiu ajudando a criar o Mises Brasil. Agora, nesta crise, todo mundo tentando entender a recessão, sua audiencia está enorme.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Berlatto

    Ô Leandro, esqueceu de mencionar o teu colega de veja, Rodrigo Constantino. Desde 2012 ele vem alertando seus leitores do que viria na economia. Dizia à época, por ex., que o Mantega não seria nem seu estagiário, pois não sabia nada de economia. Os rumos dado por ele na condução da política econômica levaria o país pro brejo. Não deu outra. Os fatos não o desmentem né?

    Curtir

  5. Comentado por:

    Tribuna da Internet

    Faltou a Miriam Leitão, uma das mais corajosas jornalistas de economia do Brasil

    Curtir

  6. Comentado por:

    Leonardo Terra

    Faltou eu aí na lista.. Rs..
    http://www.leoterra.com.br/portal/a-armadilha-da-nova-matriz-economica/
    O Wagner Torres, em seu livro, também previu o colapso fiscal.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Jonas

    Excelente iniciativa Leandro
    Acredito que expandindo a lista com as sugestoes abaixo e adicionais que surgirão, vira um post histórico.

    Curtir