Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Silvinho Land Rover atropelou o show de cinismo ensaiado pelos mensaleiros

Decidido a escapar do processo em curso no Supremo Tribunal Federal, o mensaleiro Silvio Pereira, ex-secretário-geral do PT, fechou em janeiro de 2008 um acordo com a Procuradoria Geral da República. Em troca da suspensão do julgamento por formação de quadrilha, o integrante do bando dos 40 dispôs-se a cumprir uma pena alternativa ─ três […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 11h23 - Publicado em 11 jul 2011, 07h40

Decidido a escapar do processo em curso no Supremo Tribunal Federal, o mensaleiro Silvio Pereira, ex-secretário-geral do PT, fechou em janeiro de 2008 um acordo com a Procuradoria Geral da República. Em troca da suspensão do julgamento por formação de quadrilha, o integrante do bando dos 40 dispôs-se a cumprir uma pena alternativa ─ três anos de serviço comunitário numa subprefeitura de São Paulo.

As duas partes julgaram ter feito um bom negócio. A Procuradoria conseguiu do réu uma confissão de culpa. O delinquente, além do castigo extraordinariamente suave para quem se enfiou até o pescoço nas bandalheiras do mensalão, conseguiu voltar a dormir sem sobressaltos. Ele não sabia o que é isso desde julho de 2005, quando perdeu o cargo na direção do PT e ganhou a alcunha de Silvinho Land Rover, marca do veículo presenteado por um fornecedor da Petrobras ao figurão que lhe abrira as portas do Planalto.

Submerso há mais de três anos, ele pode ser ruidosamente devolvido à ribalta pelo julgamento de que escapou. Depende do resultado. Se o STF sucumbir ao show de cinismo ensaiado por Lula e seus devotos, ignorar a montanha de provas contundentes e absolver os pecadores que continuam no banco dos réus, ficará estabelecido que não houve mensalão nem mensaleiros. Caso seja erguido esse monumento ao absurdo, espera-se que algum ministro togado tenha a bondade de desvendar o enigma produzido por Silvinho Land Rover: pela primeira vez na história do Judiciário, um inocente quis ser punido por crimes que não cometeu.

Continua após a publicidade

Publicidade