Clique e assine a partir de 9,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Se a ideia do prefeito vingar, o papa poderá deduzir que o Brasil virou um acampamento de bandidos disfarçados de pais-da-pátria

“Ser prefeito do Rio é a melhor coisa do mundo”, repetia Eduardo Paes enquanto lidava apenas com as ondas do Atlântico e multidões dispostas a aplaudir até o pôr-do-sol no Leblon. Começou a desconfiar que o emprego não é lá essas coisas quando foi confrontado com a onda de descontentamento que apressou a redescoberta da […]

Por Branca Nunes - Atualizado em 17 fev 2017, 10h06 - Publicado em 18 jul 2013, 01h02

“Ser prefeito do Rio é a melhor coisa do mundo”, repetia Eduardo Paes enquanto lidava apenas com as ondas do Atlântico e multidões dispostas a aplaudir até o pôr-do-sol no Leblon. Começou a desconfiar que o emprego não é lá essas coisas quando foi confrontado com a onda de descontentamento que apressou a redescoberta da rua por multidões indignadas.

“Com a sequência de eventos de grande porte, o Rio vai viver um período de sonho”, festejava de meia em meia hora o anfitrião da final da Copa das Confederações, da Jornada Mundial da Juventude, do papa,  da final da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016. O sonho começou a esfumaçar-se quando se viu obrigado a fugir da vaia no Maracanã. Virou pesadelo com a notícia de que milhares de moradores da Cidade Maravilhosa estão prontos para dizer ao papa, aos berros, o que acham de políticos como Eduardo Paes.

Surtos de medo soltam a língua e estimulam a inventividade, informa o comportamento do prefeito às vésperas da chegada do chefe da Igreja Católica. Primeiro, Eduardo Paes fez de conta que o alvo dos manifestantes era o argentino Francisco: “O papa não tem culpa nos 20 centavos, na eventual corrupção dos políticos, no fato de os deputados trabalharem ou não”, recitou. “O papa é representante de fé e deve nos unir”.

Continua após a publicidade

“Não é meu papel censurar ou impedir manifestações”, ressalvou, “mas acho que o papa não tem relação direta nenhuma com os pecados dos governantes brasileiros ─ a não ser perdoá-los quando há confissão”. Foi então que ocorreu a Paes a ideia de aproveitar a visita do Santo Padre para promover a maior conversão coletiva de pecadores irrecuperáveis registrada desde o Dia da Criação: “O bom  é que as autoridades brasileiras se confessem com o papa Francisco e deixem de cometer os seus pecados. A presença dele pode ajudar neste sentido”.

Se a maluquice nascida na cabeça de Paes vingasse, constata o comentário de 1 minuto para o site de VEJA (assista ao vídeo abaixo), Francisco teria de ficar algumas semanas por aqui, enfurnado o tempo todo num confessionário e ouvindo histórias de que até Deus duvida. Terminada a maratona assustadora, voltaria para Roma com a sensação de que visitou não um país, mas um acampamento de bandidos instalado onde até janeiro de 2003 ficava o Brasil.

http://videos.abril.com.br/veja/id/41685ea4040e5ed009b7e2c7566d796c?

Publicidade