Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Rui Falcão não enxerga os quadrilheiros do mensalão, Marco Aurélio Garcia manda um toptoptop para a oposição venezuelana e Luís Roberto Barroso já marcou hora no salão de beleza para o dia da vitória

“O chefe deixou muito claro que os companheiros não podem ser chamados de quadrilheiros, só de corruptos, ladrões, gatunos, larápios e outros pecados veniais”, revelou um militante fantasiado de Che Guevara durante o lançamento da candidatura de Rui Falcão ao título de Homem sem Visão de Março. O presidente do Partido dos Trabalhadores, que foge […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 04h17 - Publicado em 11 mar 2014, 19h11

images-e-b5-eb50a4924e26220c9d38e2ca9886afd2b3e1d89d

“O chefe deixou muito claro que os companheiros não podem ser chamados de quadrilheiros, só de corruptos, ladrões, gatunos, larápios e outros pecados veniais”, revelou um militante fantasiado de Che Guevara durante o lançamento da candidatura de Rui Falcão ao título de Homem sem Visão de Março. O presidente do Partido dos Trabalhadores, que foge de qualquer tipo de emprego regular há mais de 30 anos, entrou na briga por não conseguir enxergar uma quadrilha na quadrilha do mensalão.

Imitando o sorriso famoso do chefe, um assessor de Marco Aurélio Garcia protocolou a inscrição do conselheiro para complicações cucarachas do governo Dilma Rousseff com um recado do candidato: “Ele mandou um toptoptop para a oposição venezuelana e outro para as famílias dos 22 mortos nas manifestações de protesto”. Marco Aurélio garantiu a entrada na disputa ao enxergar no ensaio de guerra civil “uma invenção midiática”. Segundo o especialista em questões sul-americanas, a Venezuela só não está em paz nos diários, nas revistas e no Jornal Nacional.

Também nesta terça-feira, a Comissão Organizadora do HSV recebeu um papelório de 378 páginas tentando justificar a participação de Luís Roberto Barroso na briga de março com base no que o ministro do Supremo andou fazendo em fevereiro. “Como a votação na enquete estava em andamento quando ele provou que pode existir quadrilha sem quadrilheiros, o doutor concluiu que tem o direito de lutar pelo troféu”, argumentou um dos 129 assessores do novato.  “O chefe está tão confiante que já marcou hora no salão para retocar as sobrancelhas no dia da premiação”.

Como as alegações do pretendente foram aceitas pela Comissão Organizadora, já são três as feras na jaula, leitores-eleitores! Rugidos avisam que outras estão a caminho! Quem será o vitorioso do mês? Que vença o pior!

Continua após a publicidade

Publicidade