Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Reynaldo-BH: O partido dos mensaleiros é que politizou o julgamento no Supremo

REYNALDO ROCHA É surpreendente nossa capacidade de esquecer até mesmo os fatos recentes. Só é menor do que a capacidade que tem a pilantragem de usar essa triste amnésia. Passamos ANOS ouvindo que os brasileiros decentes queriam politizar o julgamento do mensalão. Mais: que a politização obedecia a um desejo de poder da direita raivosa, […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 05h20 - Publicado em 23 set 2013, 12h54

REYNALDO ROCHA

É surpreendente nossa capacidade de esquecer até mesmo os fatos recentes. Só é menor do que a capacidade que tem a pilantragem de usar essa triste amnésia.

Passamos ANOS ouvindo que os brasileiros decentes queriam politizar o julgamento do mensalão. Mais: que a politização obedecia a um desejo de poder da direita raivosa, vingativa e vendida.

Esse era o argumento usado contra o julgamento, contra a divisão do processo do mensalão em núcleos, contra os votos condenatórios. Com os embargos infringentes, essas vozes calaram-se.

Qual núcleo escapou? O financeiro? Não. A bailarina-banqueira irá amargar uns bons anos de cadeia. Sem apelações. Ou infringências.

O publicitário? Seus integrantes — coitados… — pagarão com temporadas na cadeia mais longas que o silêncio de Lula sobre Rose.

Quem escapou foi o núcleo POLÍTICO. Escaparam os réus que pertencem ao PT. Quem politizou o quê?

Continua após a publicidade

Eles sabiam do que falavam ao invocar a politização do julgamento, que efetivamente aconteceu. No sentido oposto. Se antes era prova de pressão indevida, hoje é comemorada como autonomia e vitória da impunidade.

Afinal, o julgamento é o mesmo. Os ministros é que não são. São da nova safra que, se envelhecer em tonéis, se transforma em vinagre.

Afirmo que, sim, o julgamento foi politizado. Com o objetivo de livrar da prisão em regime fechado o núcleo polític. O carequinha e a bailarina que se danem. Aliás, esses dois estranhos casos de masoquismo estão calados.

A politização deu certo. Acusar primeiro e agir do mesmo modo depois. Esgotar o assunto para usar a arma sem que – por cansaço – se volte a discutir o tema.

Está sendo um julgamento politizado, e pelas regras políticas bolivarianas.

Nós só queríamos justiça. Eles querem impunidade. Contam com nossa amnésia. Vamos dar este prazer aos bandidos?

EU ACUSO: o PT politizou o julgamento do Supremo depois de ter afirmado anos a fio que isso só acontecia numa DITADURA.

O PT apoia (ou é!) uma ditadura! Politiza a Justiça. E esconde o que fez. Mas deixa o rabo de fora…

Continua após a publicidade
Publicidade