Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Quem censura dicionários logo vai invadir restaurantes para podar o cardápio

DEONÍSIO DA SILVA Dos EUA, a professora doutora Vania Winters, minha ex-colega num câmpus de concentração da pátria amada, jamais ex-amiga, me escreve para dizer que algumas escolas estão fazendo edições especiais de ROMEU E JULIETA para extirpar pênis, vagina e outras referências sexuais daquela e de outras obras do Shakespeare e de outros autores […]

DEONÍSIO DA SILVA

Dos EUA, a professora doutora Vania Winters, minha ex-colega num câmpus de concentração da pátria amada, jamais ex-amiga, me escreve para dizer que algumas escolas estão fazendo edições especiais de ROMEU E JULIETA para extirpar pênis, vagina e outras referências sexuais daquela e de outras obras do Shakespeare e de outros autores clássicos. Vocês nem imaginam o que pode rolar dessa palhaçada toda. Logo estarão queimando livros. Aqui e em outros lugares. Na Espanha, a gente pede “judías” no cardápio. E ninguém pensou em censurar os restaurantes! Todos entendem o contexto. E a massa à putanesca, prato que surgiu justamente para dar comida àquelas senhoras que habitavam as bordas da cidades, isto é, os bordéis – vão tirar dos cardápios e dos dicionários? Valha-nos, Deus!

Essas coisas sabemos como começam, começam sempre do mesmo jeito, mas não sabemos como terminam. É aí que mora o perigo. Daqui a pouco os retrógrados pegam alguém de grande popularidade e a personalidade que vai à mídia defender a censura aos livros que ele e seus asseclas nunca leram e jamais consultaram. Para quem nunca leu um livro, todos eles estão previamente e para sempre censurados. Pior. Vão pedir a condenação dos autores. Interessante que “nois pega o peixe” pode”, dar às coisas os nomes que elas têm, não.

Registro também o silêncio dos aiatolás do idioma, na divertida síntese do Augusto Nunes. Os sacristãos do vale-tudo estão caladinhos! Mas nós estamos acostumados: para defender a liberdade e seus avanços, sempre estivemos sem eles. Depois que a luta que eles não travaram, foi vencida, eles aparecem para “outros” comentários! Clarice Lispector tem um livro que até no título já diz muito: ONDE ESTIVESTES DE NOITE? Onde estavam essas pessoas quando Wladimir Herzog morria torturado na prisão e queriam obrigar-nos a dizer e repetir que tinha sido suicídio?

A questão é sempre a mesma, seja para deixar livros circularem livremente, seja para deixar as pessoas viverem em paz: defender a liberdade! Inclusive defender a deles, de nos espinafrar nos conciliábulos que fazem às escuras. Venham para o proscênio, digam o que acham de proibir dicionários!

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    ANONIMO

    TODA PESSOA PODE SABER POR AUTODIDATISMO.

    Curtir

  2. Comentado por:

    ANONIMO

    VOCES SÃO A FAVOR DO CONSENSO DE WASHINGTON? NUM PAIS QUE NÃO TEM NOME. UM PAIS GOVERNADO PELA PLUTOCRACIA, PELAS MARCAS E EMPRESAS. ESTE É O SISTEMA QUE IMPERIALIZAM AS NAÇÕES DO MUNDO.

    Curtir

  3. Comentado por:

    José

    Ray Bradbury escreveu em 1953 o livro Farenheit 451. Este livro é uma história de autoritarismo. Conta a saga de um bombeiro encarregado de queimar livros. Um governo autoritário proibiu a sociedade de ler, para que esta não se rebelasse. O livro é tido como uma obra prima da ficção científica! Na história, se alguém é flagrado lendo é preso e “reeducado”. Ficção?? nestes tempos de excessos esquerdistas!!! Será??
    François Truffaut transformou o livro em um belíssimo filme (creio que nos anos sessenta).
    Vale ver pelo menos o filme.
    A propósito, 451 graus na escala de temperatura Farenheit é o ponto de fusão do papel.

    Curtir

  4. Comentado por:

    José

    Em Porto Alegre, ninguém mais vai poder pedir um “cacetinho”!

    Curtir