Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O império tremeu (15)

“Eu, general Floriano Peixoto, sou o comandante. Meu papel é de grande articulação. Aqui tem um brasileiro, um chefe da Minustah. A parte de segurança cabe a um general brasileiro. Não podemos perder a oportunidade de mostrar isso ao Brasil. Temos o maior contingente de tropas. A participação dos Estados Unidos é temporária”. General Floriano […]

Por Augusto Nunes - Atualizado em 22 fev 2017, 08h41 - Publicado em 23 jan 2010, 18h41

“Eu, general Floriano Peixoto, sou o comandante. Meu papel é de grande articulação. Aqui tem um brasileiro, um chefe da Minustah. A parte de segurança cabe a um general brasileiro. Não podemos perder a oportunidade de mostrar isso ao Brasil. Temos o maior contingente de tropas. A participação dos Estados Unidos é temporária”.

General Floriano Peixoto, chefe da força de paz no Haiti, tentando explicar por que soldados brasileiros distribuíram alimentos em frente do palácio presidencia em Porto Príncipe, região já atendida por tropas americanas.

Publicidade