Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O chilique do neurônio (2)

“Mas para ser Ibititá precisa ter o acento”. Dilma Rousseff, em Irecê, ao cumprimentar os 51 prefeitos baianos presentes ao comício, depois de chamar Ibititá de “Ibitita”, avisando aos assessores, com o olhar enviesado, que ninguém iria escapar de mais um sensacional  chilique do neurônio.

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 12h39 - Publicado em 3 mar 2011, 10h41

“Mas para ser Ibititá precisa ter o acento”.

Dilma Rousseff, em Irecê, ao cumprimentar os 51 prefeitos baianos presentes ao comício, depois de chamar Ibititá de “Ibitita”, avisando aos assessores, com o olhar enviesado, que ninguém iria escapar de mais um sensacional  chilique do neurônio.

Publicidade