Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

No faroeste americano, os bancos são assaltados. No faroeste à brasileira, um banco usa o dinheiro de gente honesta para financiar a bandidagem de estimação

Se letra fosse gente, o post de Branca Nunes sobre a farra multibilionária do BNDES inundaria este espaço com uma catarata de consoantes possessas, vogais de cabelos em pé e sílabas de trabuco na mão, todas decididas a enquadrar os responsáveis pela abjeção: o antigo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social não existe mais. […]

Se letra fosse gente, o post de Branca Nunes sobre a farra multibilionária do BNDES inundaria este espaço com uma catarata de consoantes possessas, vogais de cabelos em pé e sílabas de trabuco na mão, todas decididas a enquadrar os responsáveis pela abjeção: o antigo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social não existe mais. Subjugado há mais de 12 anos pela seita lulopetista, foi reduzido a avalista de genocida africanos, mecenas de tiranias cucarachas e padroeiro de gigolôs dos cofres públicos.

Privatizado pelo clube dos cafajestes, o BNDES perdeu o rumo, perdeu a vergonha e não para de perder dinheiro arrancado do país que presta. Não é um banco nacional. É propriedade do PT. Cuida do Desenvolvimento Econômico de ditaduras companheiras (e da engorda de contas particulares dos parceiros de pilhagens). O Social acrescentado ao nome de batismo foi sempre um adereço implorando pela guilhotina. O S que completa a sigla é um $ que foge da polícia.

A gastança bancada pelos pagadores de impostos assumiu proporções de tal forma repulsivas que os articuladores das vigarices acharam prudente transformar em segredos de Estado negociatas mais cabeludas. Foi por isso que os contratos fechados pelo BNDES com Cuba e Angola caíram na clandestinidade. Só no fim da próxima década deixarão de ser sigilosas as tenebrosas transações que enterraram o que é nosso em mausoléus stalinistas.

Sem que se saiba quanto já foi pelo ralo, o governo e o BNDES querem mais, muito mais, mesmo que para tanto seja preciso saquear o FGTS. Haja cinismo. E haja deboche, berra a peça publicitária que celebra a “transparência” do banco que negocia nas sombras e assina acertos nas catacumbas. Confira o vídeo acima: ensina que poucos segundos bastam para aplicar uma humilhante bofetada no rosto da nação.

No faroeste americano, bancos são assaltados por bandidos. No faroeste à brasileira, um banco assalta gente honesta e entrega o produto do roubo aos quadrilheiros de estimação. Se a CPI do BNDES  cumprir seu dever, os atores da gatunagem que vem aí podem acabar matando de inveja os recordistas do Petrolão.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    L.E. Simonassi

    No faroeste americano os bandidos são presos e enforcados. No faroeste brasileiro os bandidos são considerados heróis.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Silas

    Augusto você se superou foi esplêndido.Isto prova que os abutres são todos iguais . Cadê a oposição de mentirinha.

    Curtir

  3. Comentado por:

    LEVYTICO 13-13

    a BESTA está solta!!! e vai pegar todo mundo… e vai pegar você também !!!
    PATRIA EDUCADORA!!!

    Curtir

  4. Comentado por:

    JOSEPH

    Uma pergunta: por que não publicaram o meu comentário sobre essa matéria? Acredito que não descumpri nenhuma das regras estabelecidas por essa empresa! Grato.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Maroog

    Vamos lembrar que quando a Petrobrás fez um blog pra defender-se logo depois estourou o petrolão.
    Quiçá vá acontecer isso com o BNDES também.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Creso

    Juros subsidiados para os amigos do rei são para fazerem farra. Se não existisse o BNDES o deficit fiscal não existiria. Os juros seriam igual para todos. O Japão conseguiu acabar com a poupança dos correios japonês;assim o Banco Central domou a inflação japonesa. Hoje os juros japoneses esta em 0% (zero por cento).

    Curtir

  7. Comentado por:

    Claudio Botelho

    E a falsa propaganda ainda é superfaturada. Duvidam?

    Curtir

  8. Comentado por:

    Kleber

    É de chorar! Esses empréstimos absurdamente sigilosos arrepiam todos os fios de cabelo da nossa Constituição que, nos últimos tempos, e cada vez mais, só no papel é republicana. Acho ainda patético e humilhante termos que assistir ainda o veto presidencial da medida legislativa diretamente voltada a abrir essa caixa preta do BNDES. A que ponto chegamos! Precisamos de lei para conhecer o teor dos acordos com nosso dinheiro que favorecem precipuamente grandes grupos econômicos dos amigos e salvar ditaduras falidas? Não, se a constituição não estivesse só no papel! Obrigado, Augusto, seus textos irônicos e mordazes não deixam de ser um alento nesses tempos de humilhação do povo, pela elite do poder.

    Curtir

  9. Comentado por:

    Roberto Vieira Cavalcanti

    “Privatizado pelo clube dos cafajestes, o BNDES perdeu o rumo, perdeu a vergonha e não para de perder dinheiro arrancado do país que presta. Não é um banco nacional. É propriedade do PT. Cuida do Desenvolvimento Econômico de ditaduras companheiras (e da engorda de contas particulares dos parceiros de pilhagens).” Só faltou o principal, que eu me lembre, nunca mencionado aqui, porque cuidar do Desenvolvimento Econômico de ditaduras companheiras, com qual finalidade.

    Curtir

  10. Comentado por:

    José P.I. (Politicamente incorreto)

    Caro Augusto, mais um texto perfeito, que junta uma análise irretocável com o princípio da oportunidade, pois nunca “na história destepaíz” foi tão importante esmiuçar os meandros de malandragem e safadeza embutidos na “caixa preta” em que foi transformado esse importantíssimo banco de fomento ao desenvolvimento do país.Para os “companheiros”, tudo o que tiver fonte de dinheiro, a seu alcance, está à sua disposição para o enriquecimento ilícito de seus integrantes e deve estar à disposição da ideologia maligna que, de forma dissimulada, pretendem impor à nação.
    Onde houver uma fonte de riquezas, lá estarão as patas sujas da camarilha, para desviar de sua função em benefício do país, para seus “cumpanheros” internos e externos.
    O Comunismo, que existe por trás das intenções malignas do partido, sempre foi de âmbito internacional, acima dos interesses da Pátria, estão os de parceiros internacionais, que estejam unidos pelo mesmo ideal marxista.
    O Foro de São Paulo, já na ocasião de sua fundação, deixou muito claro para todos os integrantes da organização que os interesses desta deveriam ser considerados ACIMA dos interesses nacionais dos países cujo poder fosse sendo conquistado, gradativamente, por integrantes da máfia vermelha que ali se formava.
    O estelionato está impregnado na alma do PT e nas raízes de sua formação, oriundo do estelionatário movimento sindical que usou os verdadeiros trabalhadores como massa de manobra para empurrar, ladeira acima, (em precisar fazer esforço), as lideranças malignas e enganadoras, em seu objetivo de Poder e conquista de benesses quem se recusavam a adquirir pelo mérito de seu trabalho.
    Do sindicato dos metalúrgicos, passando pela criação da “central sindical”, que teve a finalidade de incluir mais “gado” na massa de manobra, à criação final do Partido (por sugestão de Fernando Henrique Cardoso), a diferença foi o raio do círculo de abrangência e do âmbito de Poder, estendendo para os círculos maiores conquistados, a mesma filosofia e o mesmo modos operandi, característico de qualquer organização mafiosa, como por exemplo, a “lei do silêncio”, que fez várias vítimas, desde o antigo sindicato (sabe-se hoje) que ameaçavam a liderança de Lula, até os dois prefeitos do partido assassinados por determinação direta do “capo”, por que estavam determinados a interromper o esquema de extorsão das empresas que tinham negócios com as respectivas prefeituras, para alimentar os cofres do partido e os bolsos das lideranças.
    Para a consumação do projeto ideológico, somaram-se, com o passar do tempo, aos estelionatários da origem sindical, os ladrões de cofres e assaltantes de banco da guerrilha comunista das décadas de 60 e 70.
    Ora, o que se deveria esperar de tal nível de consórcio, no momento em que se entrega a essa súcia de marginais, as chaves do cofre do Banco Central do país?
    Só uma nação de idiotas, absolutamente hipnotizada pela revolução cultural, para permitir tal nível de absurdo.
    Mas, Augusto, até este ponto de meu texto, eu já tinha escrito no próprio dia da publicação de sua matéria, mas acabei deixando “sair da primeira página”, para lhe apresentar uma sugestão para uma próxima, ligada ao mesmo tema, mas com uma gravidade ainda maior e que daria “no fígado” da petralhada.
    Na verdade, se trata da associação de duas informações que já são de amplo domínio público, mas que pesquisei e até agora não vi ninguém associar e é justamente a associação delas que explode a bomba da indignação popular contra os desmandos dessa camarilha de estelionatários traidores da Pátria.
    De um lado, já é de domínio público, a malversação do dinheiro do BNDES, que deveria financiar nosso desenvolvimento e está sendo DADO (sim, por que jamais será devolvido) a ditaduras de países que, inclusive, tem um forte potencial de se tornarem inimigos externos da nação brasileira, no momento em que os ladrões forem expulsos do trono.
    São bilhões e mais bilhões de Dólares que jorram por esse desvio de tubulação.
    Por outro lado, também recheia os noticiários, o ARROXO que está sendo programado pelo desgoverno comunista, sob a desculpa de “salvar a Economia”.
    Uma terceira informação, que circula, sem a mesma ênfase das duas anteriores, dão conta de que o governo petralha pretende injetar na ordem de 70 Bilhões no BNDES (extraídos do Tesouro Nacional e da reserva do FGTS dos TRABALHADORES), para “recompor” sua capacidade operacional de continuar a fomentar o desenvolvimento do país.
    O “elo” bombástico que eu encontro nesse conjunto de inf0ormações, tosa soltas, é a comparação dos valores que se pretende juntar do arrocho fiscal, com o valor que se pretende injetar no BNDES, SABENDO-SE A DESTINAÇÃO QUE SE TEM DADO A ESSA FONTE DE RECURSOS DO BANCO.
    São R$ 69,9 Bilhões que se pretende arrecadar com o “pacote” de medidas de arrocho. E são 70 Bilhões a serem injetados no BNDES, PRARA CONTINUAR FINANCIANDO DITQADURAS COMUNISTAS MUNDO A FORA
    O enfoque que eu daria, para atingir o “fígado” da petralhada, é reforçar a imagem de que um partido que se diz em nome dos “TRABALHADORES”, vai gerar uma recessão monstruosa que desembocará diretamente no DESEMPREGO DE TRABALHADORES, pelo fechamento de postos de trabalho e AINDA vai SAQUEAR o FGTS, que tem a finalidade específica de socorrer aqueles que perdem o emprego, PARA COBRIR O ROMBO provocado no BNDES POR DESVIAR ESSEM DINHEIRO do financiamento de NOSSO DESENVOLVIMENTO para garantir a boa vida dos “mais iguais” do regime de Cuba, Venezuela ET caterva comunista mundo a fora.
    Como “pitada de pimenta” extra, acrescentada ao tempero, eu ainda mostraria que, DEPOIS de mandar para o Congresso o pacote maldito e anunciar a injeção de dinheiro no BNDES, Dilma foi à Argentina, para assinar MAIS UM convênio de financiamento de uma série de obras (com dinheiro do BNDES) no valor de 1,5 Bilhão de DÓLARES.
    Ora, pois, se o banco está quebrado, precisando de um aporte de recursos, EXTIRPADOS do suor dos brasileiros, como é que Dilma Charuto vai fazer caridade com sua “companhera” de ideologia, da Argentina???
    Se você quiser aproveitar a dica, acredito que sairia na frente de seus colegas de profissão e, com o seu “tempero”, daria uma ótima matéria, para NOCAUTEAR a súcia petralha.
    Boa sorte e um grande abraço:
    José
    Se letra fosse gente, o post de Branca Nunes sobre a farra multibilionária do BNDES inundaria este espaço com uma catarata de consoantes possessas, vogais de cabelos em pé e sílabas de trabuco na mão, todas decididas a enquadrar os responsáveis pela abjeção: o antigo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social não existe mais. Subjugado há mais de 12 anos pela seita lulopetista, foi reduzido a avalista de genocida africanos, mecenas de tiranias cucarachas e padroeiro de gigolôs dos cofres públicos.
    Privatizado pelo clube dos cafajestes, o BNDES perdeu o rumo, perdeu a vergonha e não para de perder dinheiro arrancado do país que presta. Não é um banco nacional. É propriedade do PT. Cuida do Desenvolvimento Econômico de ditaduras companheiras (e da engorda de contas particulares dos parceiros de pilhagens). O Social acrescentado ao nome de batismo foi sempre um adereço implorando pela guilhotina. O S que completa a sigla é um $ que foge da polícia.
    A gastança bancada pelos pagadores de impostos assumiu proporções de tal forma repulsivas que os articuladores das vigarices acharam prudente transformar em segredos de Estado negociatas mais cabeludas. Foi por isso que os contratos fechados pelo BNDES com Cuba e Angola caíram na clandestinidade. Só no fim da próxima década deixarão de ser sigilosas as tenebrosas transações que enterraram o que é nosso em mausoléus stalinistas.
    Sem que se saiba quanto já foi pelo ralo, o governo e o BNDES querem mais, muito mais, mesmo que para tanto seja preciso saquear o FGTS. Haja cinismo. E haja deboche, berra a peça publicitária que celebra a “transparência” do banco que negocia nas sombras e assina acertos nas catacumbas. Confira o vídeo acima: ensina que poucos segundos bastam para aplicar uma humilhante bofetada no rosto da nação.
    No faroeste americano, bancos são assaltados por bandidos. No faroeste à brasileira, um banco assalta gente honesta e entrega o produto do roubo aos quadrilheiros de estimação. Se a CPI do BNDES cumprir seu dever, os atores da gatunagem que vem aí podem acabar matando de inveja os recordistas do Petrolão.

    Curtir