Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Memória perigosa

“Parabéns, dona Mônica… Ops, desculpe-me. Parabéns, dona Verônica”. Eduardo Braga, senador pelo PMDB do Amazonas e líder do governo na Casa do Espanto, ao cumprimentar Verônica Calheiros pela vitória do maridão, confundindo a mulher de Renan com a ex-amante Mônica Veloso. “Você viu? Ele trocou o meu nome… Mas é fácil trocar o nome… A […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 06h56 - Publicado em 2 fev 2013, 21h33

“Parabéns, dona Mônica… Ops, desculpe-me. Parabéns, dona Verônica”.

Eduardo Braga, senador pelo PMDB do Amazonas e líder do governo na Casa do Espanto, ao cumprimentar Verônica Calheiros pela vitória do maridão, confundindo a mulher de Renan com a ex-amante Mônica Veloso.

“Você viu? Ele trocou o meu nome… Mas é fácil trocar o nome… A gente tem que tocar a vida, né?”

Verônica Calheiros, depois que Eduardo Braga abandonou às pressas o local da gafe, explicando a Marly Sarney, ao seu lado, por que não ficará surpresa se, no próximo encontro com o casal Lula, o senador amazonense chamar Marisa Letícia de “Dona Rose”.

Publicidade