Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Lula não conseguiu sequer reeleger o filho vereador

Testes recentes comprovaram que a velha fábrica de postes deixou de funcionar ─ e nunca mais será reativada

Por Augusto Nunes - Atualizado em 13 out 2017, 13h30 - Publicado em 12 out 2017, 20h24

Depois de reconhecer que está lascado, o recordista mundial de bravata & bazófia informou que nem por isso deixou de achar-se uma figura admirável: “Eles dizem: ‘Se o Lula não for candidato, não vai ter força como cabo eleitoral’. Pois testem”, desafiou o corrupto condenado — por enquanto — a nove anos e meio de cadeia. Testes recentes avisam que é uma aposta de altíssimo risco.

Não será reativada a fábrica de postes que deixou de funcionar nas eleições municipais de 2016. Na capital paulista, por exemplo, Lula naufragou já no primeiro turno com Fernando Haddad. Em São Bernardo, não conseguiu sequer manter na Câmara de Vereadores o filho mais velho, Marcos Claudio, demitido pela votação de síndico de arranha-céu: 1.504 eleitores atenderam aos apelos de Lula.

Em agosto deste ano, o teste ocorreu em Miguel Leão, no interior do Piauí. Para recuperar-se do traumático fiasco na disputa municipal, Lula resolveu intrometer-se na eleição complementar. Mandou um vídeo elogiando  o candidato do PT, vitorioso no pleito anulado com uma vantagem de bom tamanho. A entrada em cena do campeão de araque elegeu o adversário.

Como o Lula candidato, o cabo eleitoral também está lascado.   

Publicidade