Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Lula conseguiu tornar-se apenas mais ridículo

O PT e o MST usaram como atrativo o kit mortadela, tubaína e 50 reais. Apareceram mil pessoas

Por Augusto Nunes - 14 set 2017, 22h32

Movimentando nervosamente as mãos, a gravata modelo babador encobrindo parcialmente a barriga obscena, vincos profundos no rosto proibido para sorrisos, Lula tentou reprisar nesta quarta-feira o numerito apresentado no primeiro encontro com Sergio Moro. Desprovido de álibis, alegações atenuantes ou mesmo desculpas amarelas, o réu caprichou na pose de perseguido por juízes, procuradores, delegados da Polícia Federal, empreiteiros que o enriqueceram, diretores da Petrobras que nomeou, velhos companheiros como Antonio Palocci, todos os delatores, até o porteiro do tribunal em Curitiba. Conseguiu tornar-se apenas mais patético. E muito mais ridículo.

Lula não conversa com jornalistas independentes deste novembro de 2005, quando foi entrevistado por ex-apresentadores do programa Roda Viva, da TV Cultura. Então afundado no escândalo do mensalão, foi socorrido por entrevistadores repentinamente interessados em saber se o presidente estava satisfeito com o desempenho do Corinthians ou no que tinha a dizer sobre questões transcendentais ─ a vida e suas implicações, por exemplo. Mas três ou quatro jornalistas sem medo de cara feia bastaram para escancarar a nudez do reizinho sem argumentos e sem vergonha.

O ex-presidente só fala para plateias amestradas desde 2007, quando foi desmoralizado na abertura dos Jogos Pan-Americanos do Rio com a histórica vaia no Maracanã. Passados 10 anos, tornou-se o único líder de massas do planeta que só fica próximo da massa nas macarronadas do domingo com a família. Para recepcionar o chefe condenado a 9 anos e meio de prisão por corrupção, o PT e o MST usaram como atrativo, nesta quarta-feira, o kit mortadela, tubaína e 50 reais. Apareceram mil pessoas. Qualquer procissão de vilarejo junta mais gente.

Publicidade