Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Guevara de chanchada

“Fiquei na clandestinidade por 10 anos. Meu tempo de clandestinidade já acabou”. José Dirceu, ainda em liberdade, ao avisar que não vai se esconder durante a campanha de Dilma Rousseff, contando como tempo de clandestinidade os cinco anos em que enganou a moça e combateu a ditadura entrincheirado no caixa do Magazine do Homem, em […]

Por Augusto Nunes - Atualizado em 22 fev 2017, 08h02 - Publicado em 19 fev 2010, 14h22

“Fiquei na clandestinidade por 10 anos. Meu tempo de clandestinidade já acabou”.

José Dirceu, ainda em liberdade, ao avisar que não vai se esconder durante a campanha de Dilma Rousseff, contando como tempo de clandestinidade os cinco anos em que enganou a moça e combateu a ditadura entrincheirado no caixa do Magazine do Homem, em Cruzeiro do Oeste, com o codinome Pedro Caroço.

Publicidade