Clique e assine a partir de 9,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Extorsionário tranquilo

“Não gostei do que fiz. Não foi ilegal. Mas foi falta de ética”. Luiz Antonio Pagot, ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte, durante o depoimento na CPI do Cachoeira, depois de confessar que pediu dinheiro a empresas contratadas pelo Dnit para engordar o caixa da campanha presidencial de Dilma Rousseff, explicando que extorsão, […]

Por Augusto Nunes - Atualizado em 31 jul 2020, 08h01 - Publicado em 30 ago 2012, 01h23

“Não gostei do que fiz. Não foi ilegal. Mas foi falta de ética”.

Luiz Antonio Pagot, ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte, durante o depoimento na CPI do Cachoeira, depois de confessar que pediu dinheiro a empresas contratadas pelo Dnit para engordar o caixa da campanha presidencial de Dilma Rousseff, explicando que extorsão, embora continue caracterizada como crime no Código Penal, agora é só uma questão de gosto.

Publicidade