Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Editorial do Estadão: Retrato do populismo petista

Um pente-fino no Bolsa Família era indispensável diante das evidências de que os governos petistas, por negligência ou incompetência, haviam perdido o controle do programa

A constatação da existência de irregularidades no pagamento do Bolsa Família a cerca de 1,1 milhão de famílias – o equivalente a 8% dos quase 14 milhões de famílias inscritas no programa – levou o governo a cancelar 469 mil benefícios e bloquear – até que as objeções levantadas sejam esclarecidas, num prazo de três meses – o saque de outras 654 mil contas em todo o País. Explicou o ministro Osmar Terra, do Desenvolvimento Social e Agrário, que não se trata de “corte ou economia de recursos, mas do necessário controle de gastos”. E acrescentou: “O objetivo é separar o joio do trigo. Quem realmente precisa vai continuar recebendo o benefício”.

Um pente-fino no Bolsa Família era indispensável diante das evidências de que os governos petistas, por criminosa negligência ou simples incompetência, haviam perdido o controle do programa. Há cerca de dois meses, no início de setembro, o governo Temer anunciara a decisão de fazer uma ampla varredura no cadastro do Bolsa Família, com a intenção de garantir que, depurado dos pagamentos que vinham sendo indevidamente feitos, o programa passasse a beneficiar um número maior de famílias realmente necessitadas de ajuda.

As irregularidades que agora começam a ser corrigidas foram apuradas mediante o cruzamento de informações de 6 bases distintas de dados: o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas, o Instituto Nacional do Seguro Social, o Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos, o Sistema de Controle de Óbitos e a Relação Anual de Informações Sociais.

A existência de mais de 1 milhão de benefícios suspeitos de estarem sendo concedidos indevidamente não é surpresa ao cabo de mais de uma década em que o Bolsa Família foi manipulado pelo lulopetismo como poderoso instrumento para a consolidação de seu projeto de poder. A história é conhecida, revelada anos atrás pelo ex-petista Hélio Bicudo, e remonta ao início do primeiro mandato de Lula, no momento em que o comando político do governo promovia a transformação do projeto original, Fome Zero, em Bolsa Família.

O Fome Zero era, mais do que um programa de transferência de renda, um amplo, complexo e dispendioso projeto de inclusão social que demandaria tempo para ser implantado e para produzir efeitos políticos. Em reunião no Palácio do Planalto, os responsáveis pelo Fome Zero, entre eles Hélio Bicudo, questionaram o então ministro José Dirceu, chefe da Casa Civil de Lula, a respeito da troca de um programa socialmente reestruturante que ambicionava promover uma transformação social, por outro que atingiria desde logo uma quantidade muito maior de beneficiários, mas praticamente se limitaria àquilo que o Fome Zero também previa: a transferência direta e mensal de uma “renda mínima”. A explicação do chefe da quadrilha do mensalão foi curta e grossa: “O Bolsa Família representa 40 milhões de votos”.

O Bolsa Família, de qualquer modo, cumpre o papel de prover minimamente necessidades materiais básicas, como a de ter o que comer, de uma população carente de outras fontes suficientes de recursos. Nem se trata de questionar, como ocorreu no passado dentro do próprio governo petista, a capacidade desse programa de abrir de fato a possibilidade de futura inclusão dos desvalidos na vida econômica do País. Mas é claro que, tendo sido o Bolsa Família concebido primordialmente para garantir ao lulopetismo um curral eleitoral de “40 milhões de votos”, durante os governos Lula e Dilma ninguém se preocupou para valer com o controle rigoroso dos cadastros. Daí aberrações como as reveladas agora, de que pelo menos 3 mil famílias beneficiárias do programa fizeram doações a campanhas eleitorais no pleito municipal.

A oposição sem voto já acusa o governo de promover “cortes” no Bolsa Família como prova de sua intenção de reduzir os investimentos sociais e, conforme o que está proposto na PEC do Teto de Gastos, “congelar” gastos na educação e na saúde. É um discurso fácil e mentiroso que tem, de qualquer modo, apelo emocional. Mas as eleições municipais demonstraram que os brasileiros estão desiludidos com esse populismo de esquerda campeão na promessa de “distribuição” da riqueza, mas absolutamente incompetente na tarefa de criá-la.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Teresa

    Eu vi alguns casos onde os prefeitos usavam o cadastro da Bolsa Família para forjar doadores de campanha.

    Curtir

  2. Comentado por:

    ser

    Boa tarde Brasil.
    Há de se investigar, se este programa dito social, não foi forjado para vincular o voto dos ditos necessitados ao governo da situação.
    O voto cabresto.

    Curtir

  3. Comentado por:

    wagner

    Nada.
    Esse programa foi para pagar militância Petista por baixo do pano, distribuir benesses para os pobres oportunistas, vagabundos geneticamente ladrões e manter esse partido de bandidos no Poder Eternamente.
    Mas, havia um SERGIO MORO no caminho.
    No caminho havia um SÉRGIO MORO.

    Curtir

  4. Comentado por:

    J.B.CRUZ

    Tem que se louvar essas primeiras medidas contra a corrupção tomadas pelo governo TEMER.. Afinal foram 13 anos de baderna, desrespeito às LEIS VIGENTES, roubalheira desenfreada, impunidade absoluta praticadas pelo governo petista..
    Ainda vai demorar algum tempo, para o governo TEMER, desratizar e dedetizar essa praga vermelha que se abateu em todo País..
    Mas, o brasileiro é paciente,,,,,,,,,espera…

    Curtir

  5. Comentado por:

    raphael

    suspender o beneficio, desculpe, eh muito pouco
    todos aqueles que forneceram informacoes falsas ou fraudaram o sistema de alguma maneira deveriam nao soh ter de devolver tudo que receberam em valores corrigidos como (dependendo do nivel da irregularidade) ser processado na esfera penal

    Curtir

  6. Comentado por:

    olavo

    Manistação no plenario da camara…a vermelhada ousada quer causar tumulto. Melhor assim, o povo vai vendo em quem votar nas proximas eleições…será a extinção total da esquerda burra no pais…via a democracia que começa a amadurecer no pais…

    Curtir

  7. Comentado por:

    Fausta

    Sempre desconfio desses programas sociais do governo, uma vez que, como confirma este editorial, servem inclusive como favorecimento eleitoral a políticos inescrupulosos, que se valem das dificuldades dos menos favorecidos, para se dar muito bem! Um país decente, proporciona sempre a justa possibilidade para que cada um de seus cidadãos tenha a devida chance de escolher o seu caminho, seja ele qual for. Não acredito que todos esses programas ajudem as familias em suas necessidades básicas; melhor seria que pudesse o governo oferecer a cada cidadão, ou a cada família, a possibilidade de uma vida digna e honesta, através do trabalho, e não através de esmolas, como pretendem políticos espertalhões. O que falta mesmo é vontade do poder público de mudar o que existe de errado e, ao invés de tanto programa social, alguns até com a finalidade única de submissão ao governo, proporcionar educação, quem sabe, com várias opções de cursos técnicos, para que , de cabeça erguida, possam aqueles que hoje dependem do Fome Zero, por exemplo, prover seu próprio sustento com dignidade. iO que precisamos , de verdade, é de um país onde todos possam ter os mesmos direitos e os mesmos deveres, não de demagogia!!!

    Curtir

  8. Comentado por:

    Marcos

    Eu acredito que uma das maiores desgraças da política é o populismo. O programa bolsa-família é um deles. Escuto que muitos dos beneficiados param de trabalhar pois se sustentam do citado programa.
    Não se deve dar o peixe ao homem. Ensine-o a pescar e lhe entregue as necessárias condições para tal, caso contrário este será um país cheio de vagabundos.

    Curtir