Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Doutores em impunidade (9)

“Há indícios nos autos, e fortes, de que o dinheiro se destinava para custeio de campanha”. Arnaldo Malheiros, advogado de Delúbio Soares, às 16:15 desta segunda-feira, mais nervoso que adolescente na noite da iniciação, revelando que demorou sete anos para começar a decorar a história dos “recursos não contabilizados” inventada por Márcio Thomaz Bastos.

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 08h12 - Publicado em 6 ago 2012, 17h38

“Há indícios nos autos, e fortes, de que o dinheiro se destinava para custeio de campanha”.

Arnaldo Malheiros, advogado de Delúbio Soares, às 16:15 desta segunda-feira, mais nervoso que adolescente na noite da iniciação, revelando que demorou sete anos para começar a decorar a história dos “recursos não contabilizados” inventada por Márcio Thomaz Bastos.

Publicidade