Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Delírio hondurenho

“O Brasil não tem motivo para repensar a questão de Honduras. O Brasil não tem que reconhecer e precisa manter posição”. Lula, ao avisar que a pensão em Tegucigalpa continuará sob a gerência do companheiro Manuel Zelaya, confirmando que continua na chefia da oposição hondurenha e seguirá em guerra contra Porfírio Lobo, presidente eleito por um partido de oposição.

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 16h19 - Publicado em 30 nov 2009, 18h29

“O Brasil não tem motivo para repensar a questão de Honduras. O Brasil não tem que reconhecer e precisa manter posição”.

Lula, ao avisar que a pensão em Tegucigalpa continuará sob a gerência do companheiro Manuel Zelaya, confirmando que continua na chefia da oposição hondurenha e seguirá em guerra contra Porfírio Lobo, presidente eleito por um partido de oposição.

Publicidade