Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Celso Arnaldo: Cada frase de Dilma Rousseff no discurso em Campo Grande mereceria uma vaia do Brasil que pensa

CELSO ARNALDO ARAÚJO Pouco antes do ataque em dilmês-desabafo, disparado por sua bateria antivaias, Dilma Rousseff teve outro rompante, dirigido a um sujeito na plateia que, de repente, se transmutou numa senhorinha que simplesmente repetia seu nome: “Eu vou voltar ao meu início. Tem um companheiro ali que gosta de falar o meu nome, vocês […]

CELSO ARNALDO ARAÚJO

Pouco antes do ataque em dilmês-desabafo, disparado por sua bateria antivaias, Dilma Rousseff teve outro rompante, dirigido a um sujeito na plateia que, de repente, se transmutou numa senhorinha que simplesmente repetia seu nome:

“Eu vou voltar ao meu início. Tem um companheiro ali que gosta de falar o meu nome, vocês notaram? Oi. Você fala Dilma, eu falo oi para você. É uma senhora, por sinal. Outro. Agora parou, gente, peralá, deixa eu falar o fim. Tá”.

Por sorte, parou. Porque seria um interminável diálogo de loucos e moucos:

— Dilma

— Oi

— Dilma

— Oi

Peralá: o fato é que madame está muito mal acostumada — há três anos diz as maiores barbaridades, na forma e no conteúdo, um escandaloso tratado de mentiras insinceras que não interessam, e ouve “Dilmá, Dilmá, Dilmá” da plateia amestrada. Quando alguém, de outro tipo de plateia, diz seu nome sem o afetuoso acento agudo na última sílaba, a coisa fica grave.

Aliás, esse discurso de Campo Grande já nasce histórico, não só pelas primícias das vaias como por ter sido, até o momento, a mais longa manifestação em dilmês já registrada: 49min36s.

O Portal acaba de colocar no ar sua espantosa transcrição literal — e, como de costume, cada frase mereceria uma vaia do Brasil que pensa, a começar da primeira:

“Eu saúdo todos os estudantes, todas as crianças do nosso país que têm e que carregam consigo o nosso futuro”.

Nesse discurso, a cabeça aérea que prometera 800 aeroportos agora voa ainda mais alto para o território do nunca, a bordo de aeronaves que rasgarão essas pistas-fantasmas:

“Vamos subsidiar assentos nos aviões, para que eles se tornem competitivos, ou seja, nós pagamos a diferença entre a passagem de ônibus e o preço médio da passagem de aviação, para aviões regionais nós vamos bancar”.

E só faltava essa: Dilma Rousseff, tentando fazer embaixadinhas com a Copa do Mundo, ainda teve a audácia de citar Nelson Rodrigues, em dilmês. Foi exatamente assim, segundo o Portal do Planalto:

“E ele dizia uma coisa, e eu queria dizer isso para vocês. Ele dizia que se uma equipe entra… eu não vou citar literalmente, não, mas se uma equipe entra para jogar com o nome Brasil, se ela entra para jogar com o fundo musical do Hino Nacional, então ela é a pátria de chuteiras”.

Dilma faz Nelson Rodrigues soar muito pior que José Sarney em seus piores momentos. Justo Nelson Rodrigues, o genial escritor que colocou a vaia em seu devido lugar. Se Dilma soubesse ler, e lesse Nelson Rodrigues sem citá-lo de orelhada como se fosse uma pessoa ainda na fase da pré-aquisição da linguagem, ela talvez entendesse as vaias que recebeu em Campo Grande e com elas se consolasse, sem rodar a havaiana.

Além de decretar que a vaia é o aplauso dos descontentes, escreveu Nelson:

“A grande vaia é mil vezes mais forte, mais poderosa, mais nobre do que a grande apoteose. Os admiradores corrompem”.

Leia-se: o lulopetismo corrompe.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Isaías

    É difícil de acreditar… deve ser coisa de marqueteiro. Todo mundo evolui na sua fala, e ela regride!

    Curtir

  2. Comentado por:

    silvia savasse

    O que vemos é o retrato do povo que hoje elege e voto no pt, a consequência tende a piorar a cada eleição com um petista eleito. ACORDA BRASIL, pouco sobrará de CULTURA, EDUCAÇÃO, ÉTICA, SAÚDE E SEGURANÇA para seus filhos. ACORDA BRASIL !

    Curtir

  3. Comentado por:

    Tania

    Ela só pode estar pensando que está presidindo um bando de maluco. Me sinto num país hospicio em que uma esquizofrénica achando que é a dona do mundo fala para os loucos!

    Curtir

  4. Comentado por:

    jhunter

    A tresloucada criatura do apedeuta ficou mal acostumada com os apuppos das plateias amestradas.Fora do mundo de fantasia, mostra-se como é despida da razão.Nas vaias de Campo Grande a plateia alertava ” A rainha está nua!!!…” .
    Enquanto isso..na vizinhança, a louca de Bueno Aires optou pela diversão com seus bad boys.Estes por sua vez, cuidam de acabar com o que ainda resta da outrora vistosa, orgulhosa e vaidosa Argentina.

    Curtir

  5. Comentado por:

    kill

    Vejo que esses juros baixos estao deixando muita gente inquita.
    Aumente os juros Presidenta, e todos voltarao a ser seus amigos.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Ney do MS

    Caro Augusto, aqui na minha terra, o Mato Grosso do Sul, os PeTralhas não tem vez: perderam feio em todas as eleições presidenciais (Lula e Dilma perderam aqui tanto no 1º turno como no 2º turno nas três eleições presidenciais mais recentes)e, cada vez que vêm aqui,ainda tomam sonoras vaias. E viva o povo do meu querido Mato Grosso do Sul; um exemplo para o Brasil! Abração

    Curtir

  7. Comentado por:

    eduardo

    Na minha opinião qualquer pessoa destinada a dirigir uma empresa ou qualquer outra entidade, principalmente uma nação, precisa saber se expressar de forma correta ou, pelo menos, lógica. Não é o que se vê com a nossa presidente. Seus “amigos” do governo deveriam aconselha-la a evitar falar de improviso. É um desastre. Parece mais uma charada. As pessoas procuram descobrir o que ela diz.

    Curtir